100% dos leitos para pacientes com COVID-19 estão ocupados no Hospital de Brasiléia

O alto Acre

Os casos de COVID-19 vêm crescendo assustadoramente na região do Alto Acre, devido o relaxamento e o descuido em relação à prevenção por parte da população.

Segundo informações da Gerência do Hospital Regional de Brasileia, a situação é caótica. A coordenação afirma que 100% dos leitos destinados ao isolamento para o tratamento do novo coronavírus na unidade encontram-se ocupados.

Se não bastasse a superlotação no único hospital de referência da região, a procura diária para atendimento por pessoas assintomáticas e que testaram positivo é grande. Dependendo do quadro clínico, em alguns casos, agora a única opção é a transferência para a capital Rio Branco.

Ainda segundo a Gerência, o Hospital Regional de Brasileia atende os quatro municípios da Regional do Alto Acre: Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri, e não possui estrutura para destinar outra ala para atendimento dos casos de COVID-19, pois faltam profissionais e equipamentos adequados.

Há profissionais que estão contaminados com o novo coronavírus, e os que estão atuando estão sofrendo com sobrecarga de trabalho devido a alta demanda na unidade.

Dengue

Além do aumento dos casos do novo coronavírus na região, o surto de dengue também demanda maiores esforços e estrutura, pois é outra grave doença que ocasionou uma quantidade de infecções relativamente alta.

O aumento expressivo de casos graves de dengue vem colaborando para a confusão e dificuldade em diagnosticá-la, já que os sintomas são parecidos com os do COVID-19, e isso ocasiona a superlotação do Hospital Regional.

Segundo a Gerente de Assistência da Unidade, Joelma Pontes, “as pessoas estão chegando à nossa unidade com uma complicação grande, pois muitos estão ficando em casa pensando ser dengue, o quadro se complica, e quando recebem o diagnóstico, é COVID-19. Muitos chegam já com 20, 30% do pulmão comprometido”, afirma a Gerente.

A gerência afirma ainda que até a próxima terça-feira, 12, realizará uma reunião com os municípios para tracar estratégias de melhorias.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.