Programa Saúde Itinerante promove mais de 2.040 atendimentos em Porto Acre

Profissionais de Saúde do governo do estado, com o apoio do município, levaram exames laboratoriais, ultrassonografias e cinco especialidades médicas para a Vila do V, neste fim de semana

O agricultor Francisco das Rosas de Lima, de 73 anos, acordou cedo, colocou a caça de linho marrom, vestiu a blusa branca de tergal, pôs os óculos e o boné, pegou a bengala improvisada de cabo de vassoura e partiu para a vila. Ao raiar do sol, era um dos primeiros na Vila do V, município de Porto Acre (a 70 quilômetros de Rio Branco), onde soube que ia haver atendimento médico pelo Programa Saúde Itinerante, da Secretaria de Estado de Saúde do Acre. 

“Vim pegar um encaminhamento para os olhos”, explica ele, enquanto é atendido pela assistente social Jociléia Furtado Mendonça. O ex-seringueiro, que largou o ofício aos 40 anos de idade para ser colono, tem dificuldade de visão desde uma cirurgia malsucedida há oito anos. Desde então, é a primeira oportunidade que tem para ser encaminhado a um oftalmologista em Rio Branco, depois de passar por um dos 13 médicos que participavam da primeira edição do Programa Saúde Itinerante de 2020.

Pelo menos 2.045 atendimentos foram realizados na escola Jader Saraiva Machado, entre a tarde de sexta-feira, 7, e todo o dia de sábado, 8, segundo a coordenadora do Saúde Itinerante, Rosemary Vânia Fernandes, com base em relatório divulgado neste domingo, 9.

Uma superestrutura foi montada pelo Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), para receber as pessoas com pelo menos 15 serviços em saúde: a clínica geral, pediatria, saúde mental, ginecologia, ortopedia e a odontologia. Exames preventivos de câncer de colo de útero e exames de sangue, incluindo HIV e hepatites, além de ultrassonografias e tipagem sanguínea também estavam disponíveis.

A Sesacre ofereceu ainda uma farmácia com mais de 300 itens em remédios, que também contou com o fornecimento de alguns itens da Secretaria de Estado de Saúde de Porto Acre.

Conforme Jociléia Mendonça, a triagem realizada pelos profissionais da assistência social permite às pessoas serem encaminhadas para outras especialidades que não estão disponíveis na edição itinerante. “É o caso do seu Francisco de Lima, que vamos agendá-lo para um oftalmologista lá em Rio Branco”, diz ela. Mendonça cuidou ainda de gente que fará tomografia, raios-X e ressonâncias magnéticas.

Para a agricultora Sebastiana Mendes da Silva, de 72 anos, moradora do Ramal Bujari, a chance de fazer exames completos de hemogramas, que compreendem a urina e sangue, é uma oportunidade única já que ela mora a apenas oito quilômetro da escola onde as instalações da Saúde foram montadas. “Ir para Rio Branco só pra fazer esses exames seria muito mais difícil”, diz.

Pelo menos 23 profissionais, entre médicos, enfermeiros, assistentes sociais, técnicos de laboratório, de enfermagem e recreadores participaram da primeira edição do Saúde Itinerante de 2020.

No ano passado, a Sesacre com as prefeituras de 18 localidades promoveu mais de 20 mil atendimentos, com mais de oito mil pessoas beneficiadas.

Cuidados com crianças vão do combate a micoses a parasitoses

Dos 23 profissionais, pelo menos 13 era médicos como a jovem pediatra Jamile Bestene. Ela conta que a maioria das crianças apresentam algum tipo de parasitose, doenças causadas por vermes e outros organismos que muitas vezes são invisíveis aos olhos.

“Temos registrado também casos de fungos e micoses, além das parasitoses. Nesse caso, já fazemos a prescrição de medicamento e a encaminhamos para a farmácia aqui mesmo”, explica a médica.

Estima-se que as parasitoses atinjam cerca de 25% da população mundial, ou seja, uma em cada quatro pessoas, a maioria diretamente relacionadas a populações vulneráveis pela precariedade sanitária e pela pobreza.

Recreação para a meninada

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família, da Prefeitura de Porto Acre, montou um espaço para que as crianças pudessem participar de atividades recreativas, enquanto seus pais e familiares passavam pelas consultas e exames.

Comandados pela fisioterapeuta Núria Sales e pela nutricionista Samira Matos, ambas servidoras da prefeitura local, meninos e meninas puderam participar das oficinas de desenho e de orientação nutricional infantil. 

Uma van do Projeto Brasil Sorridente Móvel atendeu 40 moradores, com obturação e limpeza dental, sob a responsabilidade da odontóloga Hivanna Franklin Viana Rocha.

No corredor principal da escola, equipes da Saúde do Estado com a do Município de Porto Acre se reservavam com palestras e apresentações sobre dengue, chikungunya e zika.

O Saúde Itinerante da Vila do V em números

Ao menos 692 pessoas foram atendidas nas cinco especialidades do Programa Saúde Itinerante da Vila do V, em Porto Acre. Foram 368 atendimentos na clínica geral, 128 na ginecologia, 118 crianças na pediatria, 42 na ortopedia e 36 na saúde mental.

Já nos exames de apoio ao diagnóstico, 85 foram de ultrassonografias e 43 do preventivo do câncer do colo do útero, totalizando 128. Foram realizados ainda 256 exames laboratoriais e 120 testes rápidos para HIV, sífilis e hepatite B e C, totalizando 376.

O serviço social atendeu a 85 pessoas, enquanto que o de enfermagem fez 178 procedimentos. Pelo menos 451 pessoas recolheram medicamentos na farmácia e 50 vacinas foram aplicadas. Na odontologia, 40 pessoas foram atendidas com serviços de obturação e limpeza. 

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.