Rombo de R$ 400 mil leva Justiça a bloquear bens do prefeito de Brasiléia

 

Antonio Muniz

 

O juiz de direito Gustavo Sirena, titular da Vara cível da Comarca de Brasiléia, decretou a  indisponibilidade  total dos  bens  móveis, imóveis e ativos financeiros do prefeito de Brasiléia Everaldo Gomes Pereira (PMDB), e a ex-secretária municipal de saúde, Aldenice Ferreira.

 A decisão foi tomada ontem pelo juiz de direito Gustavo Sirena, titular da Vara cível da Comarca do Município, para, segundo ele, garantir possível ressarcimento aos cofres públicos para cobrir desvio de R$ 446 mil.

O juiz Gustavo Sirena atende recomendação apresentada pelo Ministério Público do Estado (MPE), que apurou atos de improbidade administrativa praticados pelo prefeito e alguns membros de sua equipe.

Segundo denúncia oferecida pelo Ministério Público, o servidor do município, Willian Amaral  dos  Santos, havia sido recentemente acusado de desviar recursos públicos da prefeitura. Por isso, o juiz decretou o bloqueio de bens e contas em seu nome.

Por meio de investigação, o MPE constatou  que  havia  um esquema de desvio de verbas públicas da Saúde e com a conivência da ex-Secretária de Saúde Aldenice Ferreira e do Prefeito Everaldo para que Willian retirasse os valores da Secretaria de Saúde para,  posteriormente, dividir entre os micros do grupo.

Segundo as investigações, o prefeito teria se comprometido em ingressar com uma ação para tentar resgatar pouco mais de R$ 100 mil reais desviados da prefeitura, mas segundo o MPE, o gestor sabia que os valores subtraídos eram bem menores.

Everaldo teria dito ao servidor que não  se  preocupasse, pois  iria  contratar  um  advogado  para  defendê-lo,  desde  que  assumisse  a  responsabilidade sozinho por todos os desvios.

O outro lado

A reportagem de O RIO BRANCO tentou falar com o prefeito Everaldo Pereira para que este apresentasse sua versão sobre o caso, mas este não atendeu e tampouco retornou as ligações telefônicas.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.