Marina rebate Ministro Salles compartilhando denúncia de assédio moral coletivo no IBAMA

Por Wanglézio Braga

A ex-ministra Marina Silva rebateu ontem (28), via Redes Sociais, as palavras do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que durante uma visita às margens do Rio Acre comentou que os governos do PT com apoio dela não deram atenção aos problemas ambientais principalmente do esgoto que sai do Parque da Maternidade e desemborca diretamente no leito do principal manancial do Acre sem nenhum tipo de tratamento.

Marina rebateu Salles compartilhando uma manchete de jornal onde servidores do IBAMA de seis estados e do Distrito Federal que acusam o ministro de praticar “assédio moral coletivo”. Ela disse que o Governo Bolsonaro usa uma estratégia de querer sustentar politicamente a partir do acirramento entre oposição e situação da qual Marina classificou de “polarização tóxica”.

“Essa estratégia do governo Bolsonaro, de querer se sustentar politicamente a partir do acirramento de um polarização tóxica do nós contra eles, apenas fragiliza a atuação republicana das instituições e impede que o país saia dessa profunda crise em que se encontra. A denúncia dos servidores do Ibama contra o Ministro do Meio Ambiente por “assédio moral coletivo” demonstra a gravidade desse tipo de política insana de desconstrução”, escreveu.

Também em sua rede social, Marina Silva escreveu que “o presidente Bolsonaro precisa parar o desmonte da agenda ambiental no Brasil e fazer o dever de casa, antes de querer dar aula para outros países. Repetir a mesma lógica de confrontação feita internamente na política externa será catastrófico para o país! O Brasil já assinou acordos multilaterais na área ambiental e para enfrentar a crise climática. Essa é uma preocupação geral e está na ordem do dia nos principais debates sobre desenvolvimento, justiça e segurança global. O assunto também estará na pauta da reunião do #G20 em Osaka no Japão”.

Por fim, a ex-ministra comentou que “Infelizmente, é um protagonismo perdido que tínhamos adquirido depois de sucessivos governos e muitos esforços. E quem diz isso são especialistas e técnicos, sem filiação partidária ou preferência ideológica, que o governo ao invés de ouvir prefere atacar”.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.