Moro afirma sofrer perseguição após Lava Jato

Em sua participação para o Flow Podcast, Sergio Moro afirmou que as investigações contra seu nome no Tribunal de Contas da União (TCU) são fruto de uma perseguição política em consequência de sua atuação na Operação Lava Jato. Segundo o ex-juiz e ex-ministro da Justiça, agora candidato à Presidência pelo Podemos, não houve irregularidades ou conflitos de interesse em seus julgamentos durante a operação.

Na visão de Moro, o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (Mptcu) procura dar um recado em nome da classe política ao investigar suas ações. “O recado não é para mim, mas para tudo que é juiz, procurador e policial do país: ‘Se você vem atrás de mim por corrupção, você vai enfrentar depois as consequências, porque eu vou atrás de você”’.

Para Moro, o interesse da classe política é o retorno do status quo pré-Lava Jato. “O cara quer roubar e não quer que aconteça nada”, exclamou. Moro não chegou a citar nomes específicos de quem seriam os políticos que supostamente o perseguem, mas apontou para “o Centrão, (…) PT, e muita gente ligada ao presidente Jair Bolsonaro fazendo isso também. Ou seja: um pacto para evitar que volte o combate à corrupção”.

Moro é investigado no TCU por supostos conflitos de interesses durante sua atuação na Lava Jato. Segundo a acusação, os serviços prestados por ele em 2020 ao grupo empresarial Alvarez & Marsal, mesma empresa que faz a gestão da recuperação judicial do grupo Odebrecht, alimentam a possibilidade de ter tido interesse com o resultado da operação.

Em sua fala, Moro voltou a afirmar que não recebeu dinheiro de empresas envolvidas na Lava Jato, e que sua atuação na Alvarez & Marsal não se deu no ramo de recuperações e falências, mas no de consultoria empresarial. “Não recebi um centavo de empresa envolvida na Lava Jato. Quem fala isso mente. Podem quebrar sigilo, podem fazer o que quiserem”, declarou o candidato ao Planalto.

[Congresso em foco]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.