Gladson se encanta pelos trabalhos de cooperativa em Rodrigues Alves e promete auxílio

Por Wanglézio Braga

O governador Gladson Cameli, do PP, cumpriu agenda no Vale do Juruá e Região do Envira nesta quinta-feira (24). Na cidade de Rodrigues Alves ele esteve acompanhado da primeira-dama, Ana Paula Cameli, onde conheceram as atividades extrativistas de uma cooperativa que trabalha com parcerias entre alguns municípios acreanos e até do Amazonas.

“Ontem, dia 24, junto com minha esposa Ana Paula Cameli e nossa equipe, estive na Comunidade Nova Cintra, no município de Rodrigues Alves, para conversar com os moradores e conhecer de perto a Coopercintra. A cooperativa trabalha com o Murmuru, palmeira típica da Amazônia, que é comercializado e fonte de renda para 300 extrativistas de Rodrigues Alves, Porto Walter e Cruzeiro do Sul, no Acre, e Guajará e Ipixuna, no Amazonas. O óleo do fruto é muito utilizado pela indústria cosmética”, comentou.

O governador informou que “por ano, a Coopercintra chega a beneficiar até 23 toneladas de Murmuru. Para dar conta da demanda de toda a produção, que é vendida para duas fábricas do Pará e de São Paulo, 18 funcionários, todos moradores da comunidade, trabalham na sede da cooperativa. A Coopercintra também trabalha com a borracha, cacau nativo e em breve com o açaí. Eles ainda tem planos de implantar a produção de farinha”.

Após conhecer as instalações, Gladson Cameli prometeu contribuir mais com os produtores . “Saí de lá com a missão de poder contribuir mais com esses guerreiros e guerreiras que estão se dedicando em produzir e utilizar o melhor que a nossa floresta tem a oferecer sem prejudicá-la. Falar em desenvolvimento não significa que queremos acabar com o meio ambiente ou ser contra as leis ambientais. São iniciativas como essa que o governo precisa e tem a obrigação de apoiar”, prometeu.

A visita ao local foi acompanhada pelo secretário de Meio Ambiente, Israel Milani, do secretário de Indústria, Ciência e Tecnologia, Anderson Lima; do diretor-presidente do Imac, André Hassem; do diretor-presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, Manoel Gomes  e diretor-presidente do Deracre, Petrônio Antunes.

 

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.