Roberto Duarte pede flexibilização de decreto e reabertura urgente do comércio no Acre

ASSESSORIA

O deputado estadual Roberto Duarte (MDB) usou o tempo de pronunciamento do pequeno expediente da Sessão Plenária da Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac) desta terça-feira, 23, para pedir a flexibilização do decreto que proíbe os serviços “não essenciais” de funcionarem. 

“O número de desemprego vai aumentar dia após dia caso o comércio mantenha-se fechado. É preciso flexibilizar a quantidade de pessoas circulando nas lojas, restaurantes e academia, por exemplo. É possível salvar vidas e empregos. Infelizmente, equanto os empresários estão cumprindo o decreto, muitas pessoas estão desrespeitando às regras e aglomerando em vários lugares, conforme vimos no último final de semana e foi amplamente divulgado nas redes sociais”, disse Roberto Duarte.

O deputado estadual justificou o pedido dizendo que o decreto, que foi renovado ontem, prejudica trabalhadores e o Acre, pois não avançou na diminuição do número de casos de pessoas infectadas com o coronavírus. 

“Recentemente, eu me reuni com representantes dos bares e restaurantes, conversei também com lojistas do Aquiri Shopping e donos de academias. Eles possuem um plano para reabertura e temos consciência de que é possível reduzir o número de pessoas circulando nos ambientes e seguir as orientações dos órgãos competentes para evitar o contágio da Covid-19. Se essa situação durar mais tempo, as pessoas morrerão não pelo coronavírus, mas de fome”, comentou Roberto Duarte.

*Alagação* - O parlamentar citou que, na semana passada, visitou os municípios que estão sofrendo com a alagação. “Visitamos, ajudamos e levamos a nossa solidariedade à população atingida pelas cheias dos rios. Chamo atenção para a zona rural, pois ainda não vi nenhuma ação voltada para eles. É o momento de união e solidariedade. Eu me solidarizo às pessoas que estão passando por tamanha dificuldade. Continuarei a dar apoio a todos que precisarem e continuo à disposição dos municípios e do estado para ajudar no que for preciso”, destacou Roberto Duarte.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.