Dra. Juliana quebra o silêncio sobre cassação e diz que foi "vítima de ganância"

Por Wanglézio Braga

A agora ex-deputada Doutora Juliana Rodrigues (PRB) resolveu quebrar o silêncio sobre o processo que resultou na sua cassação de deputada da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac). Em um vídeo publicado no último sábado (17), em sua rede social, Juliana fala das lutas e bandeiras defendidas por ela durante o mandato, assegura veementemente que é vítima da “ganância daqueles que enxergam um cargo político como objetivo maior de vida” e avisa que não vai “parar de lutar pela causas dos mais necessitados”.

“Geralmente durante momentos adversos da vida, o silêncio e o passar do tempo e até a mudança de rumo parecem ser a melhor alternativa, mais não para mim! Pois desde muito cedo aprendi a não me curvar diante das lutas. Quando criança, enfrentei a pobreza, as faltas de oportunidades, e desde muito cedo, vendo o exemplo digno e aguerrido dos meus pais, comecei a trabalhar duro (...) Eu nunca baixei a cabeça diante das batalhas e não será agora, aos 61 anos de idade, e com tanto tempo de luta verdadeiro pelos mais necessitados, que irei abandonar a trincheira, fui vítima da ganância daqueles que enxergam um cargo político o objetivo maior de vida, mas como todos conhecem o meu perfil, não estou aqui para atacar ninguém!”, disse.

Continuando o seu relato, afirmando que “A batalha será ainda mais forte, tenho muita gratidão a Deus e ao povo pelo quase seis anos de mandato. Quem me conhece sabe que nunca tive apego a cargo, nunca tive vaidade, por títulos ou status, posso não ter mais uma tribuna na Casa de Leis para poder dar eco às vozes das pessoas necessitadas, mas continuo tendo, e muito, força e coragem e lutar por cada mulher que é vítima do terrível ciclo de violência. Por cada igreja que batalha, para manter as suas portas abertas, para colher e salvar vidas, por cada criança e adolescente que ver a sua doce inocência ser transformada em terror e abandono, com cada pessoa com deficiência que sente a dor diária de ser excluída. Digo a todos que sigo firme confiando na justiça divida”.

No mês passado, o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu manter a cassação dos diplomas e a declaração de inelegibilidade dela e do deputado federal Manuel Marcos, do PRB. Ambos foram presos na operação “Santinhos”, da Polícia Federal, em dezembro de 2018.

Em junho do ano passado, os mandatos dos dois foram cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AC), por abuso do poder econômico, utilização indevida de verbas destinadas ao Fundo Partidário e ao Fundo Especial de Financiamento de Campanha e compra de votos nas eleições de 2018.  

Os votos recebidos pelos deputados foram anulados pelo TSE e a justiça eleitoral irá fazer a recontagem dos votos e nova declaração dos eleitos. O relator das ações foi o ministro Edson Fachin. Desde o ato do TSE, Juliana Rodrigues e Manoel Marcos evitaram comentar o episódio. 

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.