Bate boca entre Prefeito e Vereador força entrada da Polícia na Câmara de Porto Acre

Por Wanglézio Braga

Centenas de portoacrenses compareceram na manhã de hoje (19) na Câmara de Vereadores para acompanhar a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar possíveis denuncias no montante de R$ 6 milhões de reais em recursos da secretaria municipal de Saúde de Porto Acre. 

Segundo a denúncia, vários contratos realizados pelo prefeito Benedito Cavalcante Damasceno, do PROS, entre os anos de 2017 a 2018 apresentaram supostos desvios. De acordo com os vereadores de oposição, um dos contratos que será investigado na CPI, foi firmado com outro município, no valor que ultrapassa os R$ 4 milhões de reais, o que sugere olhar apurado.

Durante a sessão, o prefeito compareceu para acompanhar os trabalhos dos edis e foi convidado para fazer usar da palavra na tribuna. Enquanto discursava, Benedito era constantemente confrontado por populares.

Em sua fala, ele fez uma abordagem da sua trajetória política e familiar desde quando morava em Tarauacá, sua cidade natal até desembarque em Porto Acre passando ainda pelos mandatos que assumiu como deputado. No entanto, dos mais de 20 minutos que usou da tribuna, o prefeito não conseguiu defender com clareza das denúncias, apenas mirou no que vem fazendo no pequeno município.

Em determinado momento, Damasceno iniciou longa e vexatória discussão com o vereador de oposição, Célio Nogueira (SEM PARTIDO).  “O senhor não merece os meus cumprimentos. Não pense que o senhor me tirará da prefeitura! Eu não preciso me defender”, disse o prefeito ao vereador que desafiou para um duelo nas urnas, no próximo ano.  

Devido o clima pesado, a Polícia Militar (PM) foi chamada para fazer a segurança no plenário da Casa de Leis. Os policiais ficam posicionados ao lado do prefeito e membros da Mesa Diretora. Populares que acompanharam a sessão histórica ficaram espantados com a presença da força de segurança. Do lado de fora, diversas viaturas também reforçaram o quadro.  


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.