Rocha diz que vai pedir investigação da PF e do MPF sobre "gabinete do ódio" no Governo Gladson

Por Wanglézio Braga / Foto: Reprodução Redes Sociais

Pelo terceiro dia seguido, o vice-governador Wherles Rocha (PSL) chama atenção dos seus seguidores de redes sociais para dar ciência dos bastidores do governo Gladson Cameli (PP). Ontem (14), ele falou sobre a possível existência de um “gabinete do ódio” que tem como principal função minar na vice-governadoria. Agora, Wherles anunciou que mais um incidente ocorreu com um comissionado e prometeu que vai pedir investigação na Polícia Federal (PF) e no Ministério Público Federal (MPF).

Na publicação, bastante extensa por sinal, Rocha relata que “faz tempo que venho sofrendo ataques coordenados de comissionados nomeados diretamente pelo Governador e veículos de comunicação pagos com recursos públicos. Dias atrás, um desses comissionados me desafiou quase que para um duelo. Lembro-me de ter pedido providências à Casa Civil do Governador, essa por sua vez fez ouvidos moucos e sequer respondeu ao meu pedido. Claro que a conclusão que cheguei não poderia ser outra a não ser que o dito comissionado estava apenas cumprindo ordens de alguém”. 

O vice-governador comentou ainda que “Nos bastidores correm as histórias de cooptações, pressões, perseguições e estratégias nada republicanas para tentar minar aliados até mesmo aqueles que alguém acha que podem ser adversários. Alguns permanecem firmes, mesmo com o risco de serem exonerados, já outros se deixaram cooptar. Lamentavelmente caráter e lealdade não são qualidades comuns na política”.

Continuando a postagem, o vice-governador voltou a falar sobre a exoneração de um locutor que foi exonerado do governo e que um dos motivos para tal seria o não apoio a candidata do Governador rumo à prefeitura da Capital. Rocha questiona: “Não estaríamos diante de um caso típico de abuso de poder?” e acrescenta: “Ele também atribui a sua exoneração ao fato de haver compartilhado uma postagem minha com críticas a FÊNIX/AVANCARD. Quem será o padrinho forte dessa empresa manauara que cobra juros extorsivos dos servidores acreanos?”.

“Agora para mim a informação mais grave é a de que a "máquina pública estaria sendo utilizada para beneficiar a mídia local para atacar o vice-governador". Seria essa a razão da secretaria de comunicação me negar o acesso às informações dos gastos com a mídia que deveriam ser públicos? Não bastasse a gravidade das situações até aqui levantadas, que apontam supostos indícios da utilização de recursos públicos e de cargos comissionados para atacar a mim e a outros políticos, agora os ataques estão alcançando também membros do judiciário acreano. Pior ainda, deixando as digitais dos prováveis mandantes desses ataques”, escreveu.

Por fim, Rocha faz uma sequência de questionamentos e avisa que vai pedir uma investigação criteriosa nos órgãos fiscalizadores, leia-se PF e MPF.  “Será que estamos diante de um "Gabinete do Ódio" acreano? - Será que o povo acreano está pagando para manter uma milícia digital para atacar a honra e denegrir as pessoas? - Será que os recursos da verba de mídia, que podem superar a casa dos 10 milhões até o final do ano, podem estar ajudando a financiar uma organização criminosa nos moldes da que é investigada em Brasília? - Será que não estamos diante de ilícitos administrativos, cíveis, criminais e eleitorais?”, questionou Rocha.   


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.