Senadores têm primeira reunião sobre frente que vai substituir CPI da Covid

Os primeiros encaminhamentos sobre a Frente Parlamentar Observatório da Pandemia, que vai suceder a CPI da Covid no Senado, devem ser conversados na já próxima semana. Autora da proposta, senadora Zenaide Maia (PROS-RN), tem marcada uma reunião com integrantes da cúpula da CPI na segunda (18) e entre os assuntos que serão abordados está a sugestão dos nomes que irão compor a frente. De acordo com a senadora, a ideia é que participem os parlamentares que atuaram na CPI da Covid. Isso inclui titulares, suplentes ou mesmo aqueles que atuaram mediante autorização do presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), como foi o caso das senadoras. A bancada feninina no Senado apenas conseguiu o direito de participar da comissão após questionarem a ausência de indicação de parlamentares mulheres.

Também na segunda está prevista a apresentação do relatório final, que deve ser pautado para votação na quarta-feira (20). Após isso, os trabalhos do grupo encerra. É quando, então, poderá ser analisado o projeto que cria a o Observatório da Pandemia. O texto foi apresentado na noite da quarta (13), pela senadora Zenaide. “Protocolamos o documento e, por conta do regimento, ele será analisado assim que os trabalhos da CPI forem oficialmente encerrados”, disse. 

Na avaliação da senadora, uma das principais funções desta frente a ser constituída, e que consta no projeto, é a de receber novas denúncias sobre irregularidades e erros no combate a pandemia. Ela acredita que muito material ainda há para ser coletado. Zenaide também destacou o olhar que a frente terá sobre projetos de lei que ajudem o Brasil a fortalecer o SUS. “Vamos seguir o trabalho da CPI recebendo documentos e cobrando respostas. Nosso projeto traz quatro pontos para esta frente: acompanhar e fiscalizar os desdobramentos das investigações da CPI, cobrar responsabilização dos acusados pelo agravamento da crise sanitária, receber novas denúncias sobre irregularidades e erros no combate a pandemia, e propor novos projetos de lei que ajudem o brasil a fortalecer o SUS, que mesmo subfinanciado foi quem mais salvou vidas durante esta pandemia”, disse.

[Congresso em foco]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.