Maia ataca PT por defender a revogação da Reforma Trabalhista

O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (RJ) criticou a posição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Gleisi Hoffman, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT) por saírem em defesa da revogação da reforma trabalhista no Brasil. A discussão foi reavivada após publicação de Lula sobre a Espanha estar revendo as mudanças na legislação trabalhista feitas em 2012.

No Brasil, a reforma foi realizada durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), com a promessa da criação de “milhões de empregos” e “aumentar a renda dos trabalhadores”. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Rodrigo Maia disse que o PT repete os erros praticados entre meados do governo Lula e a gestão Dilma Rousseff. O assunto tem repercutido nas redes sociais. Na manhã desta quarta, Maia voltou ao Twitter para retrucar: “Acho interessante que a esquerda critica a reforma trabalhista, mas não tem uma proposta para reduzir a informalidade no Brasil.”

Histórico de Maia

Em 2017, o ex-presidente da Câmara articulou a aprovação em plenário do projeto. Segundo ele, as reformas trabalhista e da previdência iriam produzir “mudanças profundas” na relação entre capital e trabalho e assim contribuir para a retomada de investimentos, empregos e do equilíbrio fiscal do País.

Hoje, ele afirma que a revogação da reforma iria inflexibilizar o mercado de trabalho.

“O que tem acontecido —e aconteceu de 2020 para 2021— é a recuperação do emprego sempre no emprego precário, na informalidade. O PT vê a questão do emprego pela ótica equivocada. O Brasil não vai voltar a crescer criando restrições, criando um Estado paternalista.”, disse à Folha.

Na Espanha, a mudança foi aprovada em 2012 e serviu como base para a proposta no Brasil. Chamada de “contra reforma” no país europeu, a negociação foi articulada pelo primeiro-ministro Pedro Sánchez, empresas, sindicatos e partidos, como o Partido Socialista Espanhol (Psoe).

A reforma atual, entre outras medidas, estabelece regras para que acordos entre empresários e representantes dos trabalhadores passem a ter força de lei, o chamado “negociado sobre o legislado”. A proposta, no entanto, ainda deverá passar por análise do parlamento da Espanha.

[Congresso em foco]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.