Sargento da PM que matou mulher por não aceitar gravidez é condenado a mais de 27 anos de reclusão

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) obteve a condenação do sargento da reserva da Polícia Militar, José Eronilson Brandão, 52 anos, pela morte de Guiomar Rodrigues, 34 anos, em dezembro de 2018, em Rio Branco. O julgamento ocorreu na quarta-feira, 23, na 1ª Vara do Tribunal do Júri.

Segundo a denúncia, Guiomar Rodrigues esperava um filho do policial e ele não queria que a gravidez fosse descoberta. O sargento fingiu que prestaria assistência à vítima, restituindo o valor gasto no teste de gravidez, e chegou a levá-la até a casa de uma amiga, mas no caminho a surpreendeu enrolando uma corda em seu pescoço, causando a sua morte por asfixia.

Para o MPAC, o crime foi cometido por motivo torpe e por razão da condição de sexo da vítima, mediante asfixia mecânica e com emprego de recurso que dificultou a sua defesa.

A mulher, que estava grávida de 14 semanas, foi deixada em um matagal, sendo que o corpo foi encontrado no dia seguinte coberto por uma fralda com a sigla CV. Para o Ministério Público, ao agir dessa forma, o policial pretendia dar a entender que o crime havia sido praticado por uma facção criminosa.

Os jurados acataram a tese do MPAC e decidiram condenar o réu a 27 anos e seis meses em regime fechado, sem o direito de recorrer da sentença em liberdade.

“Ficou muito claro que ele engravidou a moça, estava passando por problemas familiares e queria se livrar da situação. Um clássico caso de feminicídio, embora o acusado tenha tentando atribuir autoria a terceiro, a prova dos autos é contundente em apontá-lo como autor, como reconheceu a decisão soberana dos ilustres jurados. A justiça foi feita”, diz o promotor de Justiça Carlos Pescador.

 

Agência de Notícias do MPAC


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.