Começa julgamento de policial federal que matou jovem com tiro em boate no AC

Começa nesta terça-feira (24) o julgamento do policial federal Victor Campelo, acusado de matar o estudante Rafael Frota com um tiro dentro de uma casa noturna de Rio Branco. Ao todo devem ser ouvidas 15 testemunhas de acusação e defesa, além do interrogatório do réu. O julgamento deve se estender até sexta (27) na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar.

ACOMPANHE EM TEMPO REAL

Campelo responde pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio. Conforme o Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) foram arroladas dez testemunhas pela defesa e cinco de acusação.

Inicialmente vão ser ouvidas as testemunhas de acusação, em seguida é aberto para perguntas do juiz, promotor, advogados de defesa e jurados, respectivamente. Depois, vem a oitiva das testemunhas da parte da defesa com perguntas na mesma ordem.

O que diz a defesa

O advogado do policial federal, Wellington Silva, afirmou que a defesa está confiante com o julgamento e que o processo possui grande fundamentação jurídica e técnica favorável à defesa. Segundo ele, ficou comprovado que o policial agiu em legítima defesa, argumento também defendido pelo policial no primeiro depoimento prestado à Justiça em 2018.

Ele lembrou ainda que seu cliente não chegou a ser indiciado pelo delegado responsável pelas investigações, mas que o Ministério Público optou por denunciá-lo pelo crime e a Justiça o pronunciou para ir a júri. Campelo foi transferido para outro estado em 2019 por questão de segurança e segue trabalhando como policial federal.

“É um processo longo, o julgamento será o primeiro do ano na 2ª Vara. Nossas expectativas são muito positivas, porque desde o primeiro momento, desde a delegação, a defesa sustentou uma tese de legítima defesa, de erro de execução. Essa tese foi, inclusive, aceita pelo delegado que deixou de indiciar o Victor na época. Todavia, o juízo entender que a análise com relação a aplicabilidade ou não dessa tese deve ser realizada pelo tribunal do júri, então entendeu que é lá que deve ser colocado uma pedra sob esse caso. Então temos toda prova técnica favorável”, disse Silva.

Na noite de 26 de julho de 2016, a Polícia Civil reconstituiu a morte do estudante Rafael Frota. Campelo e a ex-namorada dele, Lavínia Melo, de 19 anos, e os jovens apontados como responsáveis pela confusão que teria motivado os tiros, retornaram à casa noturna, no bairro Aviário, para participar da reconstituição.

Em maio de 2017, o policial teve duas medidas cautelares revogadas pela Justiça do Acre. Entre as medidas, estavam a revogação da proibição de frequentar bares, boates e casas noturnas, bem como o recolhimento domiciliar a partir das 19h nos finais de semana, feriados e dias de folga.

 

[G1]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.