Justiça prorroga uso da Força Nacional em Brasília até 4 de fevereiro

O ministro da Justiça, Flávio Dino, prorrogou nesta segunda-feira (23) o uso da Força Nacional em Brasília após os atos criminosos de 8 de janeiro. A prorrogação se estende até o dia 4 de fevereiro. A portaria foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda.

Conforme o texto, as forças de segurança têm como objetivo “auxiliar na proteção da ordem pública e do patrimônio público e privado entre a Rodoviária de Brasília e a Praça dos Três Poderes, assim como na proteção de outros bens da União situados em Brasília”.

O uso da Força Nacional já havia sido autorizado por Dino em 7 de janeiro, um dia antes dos atos criminosos.

Segundo a analista de política da CNN Basília Rodrigues, a Secretaria Nacional de Segurança Pública deve reunir todos os secretários dessa área na próxima quinta-feira (26) para reafirmar o diálogo com as forças policiais de cada unidade da federação.

Os gestores locais são os responsáveis diretos pelos planos de segurança de seus estados, o que inclui o trabalho das polícias Civil e Militar.

O encontro foi marcado pelo secretário nacional, Tadeu Alencar. Dentro do governo, Alencar é uma das vozes que defendem os policiais militares pela atuação do dia 8 de janeiro, quando milhares de manifestantes invadiram o centro de Brasília.

Para o secretário, eles apenas “recebiam ordens”, e seus comandantes é que devem ser responsabilizados. Recentemente, pelas redes sociais, ele afirmou que as queixas do governo federal ao papel da PMDF não seriam “um ataque à polícia como instituição, mas aos dirigentes que, naquele momento, tinham a responsabilidade de dar as ordens”.

O discurso de defesa das instituições, incluindo as polícias, deve ser pauta de Alencar na reunião com os secretários.

O secretário nacional de Segurança Pública também apoia a ampliação do programa Pacto Pela Vida, que teve resultados exitosos em Pernambuco na redução de índices de criminalidade e de homicídios.

 

[CNN]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.