Mais uma vez, Acre registra a maior queda de assassinatos do país

O Acre volta a protagonizar no cenário nacional quando o assunto é segurança pública e, mais uma vez, figura na primeira posição do país em redução de assassinatos. De acordo com o Monitor da Violência, em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em matéria jornalística publicada nesta quarta-feira, 18, pelo site G1 nacional, nos primeiros três meses de 2022, a redução de assassinatos em território acreano foi de 30%, em relação ao mesmo período do ano passado, a maior queda entre os demais estados da Federação e o Distrito Federal.

Segundo a publicação, em todo o Brasil foram 10,2 mil assassinatos nos três primeiros meses deste ano, o que representa uma baixa de 6% em relação ao mesmo período de 2021. De acordo com o G1, o estudo levou em consideração o número de vítimas de homicídios dolosos (incluindo feminicídios), latrocínios (roubos seguidos de morte) e lesões corporais seguidas de morte.  

Sobre mais essa expressiva queda dos índices de criminalidade no estado, o governador Gladson Cameli destacou o empenho do Executivo estadual. “O governo contratou centenas de policiais, chamando o cadastro de reserva, aparelhou as forças policiais, com centenas de viaturas, armamentos e equipamentos. O governo criou o batalhão de fronteira, que trabalha para impedir a entrada de drogas no país. A polícia está na rua para proteger o cidadão. São ações como essas que refletem nesses números positivos da Segurança Pública”, pontuou Cameli.

Ao avaliar os resultados, o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), coronel Paulo Cézar Rocha dos Santos, reforçou que a retomada da disciplina nos presídios, o aumento de recursos (humanos, financeiros, tecnológicos e logísticos), o intermitente combate aos crimes fronteiriços e a integração das forças são fatores determinantes para os bons resultados.

Segundo o secretário, o alcance da efetividade dos pilares estratégicos por ele elencados é resultante “da retomada do pulso forte do Estado contra a criminalidade, proposta pela gestão do governador Gladson Cameli, a partir de 1º de janeiro de 2019, e pela atuação integral, doada ao Estado, de cada operador do Sistema Integrado de Justiça e Segurança Pública no período”.

Mais resultados

No último dia 4, o mesmo G1 nacional apontou o estado do Acre na primeira colocação, entre todas as Unidades da Federação, no quesito de mortes cometidas pelas forças policiais: Acre (-58%). As polícias do Acre são as que menos matam.  

De acordo com os estudos do Monitor da Violência, apenas três estados tiveram mais de 40% de redução no quesito. Além do Acre, Rondônia (-45%) e Roraima (-44%).  

Em fevereiro deste ano o Monitor da Violência mostrou o Acre em primeiro lugar no ranking dos estados que mais reduziram os índices de homicídios no ano de 2021, comparando-se ao ano de 2020, com redução de 38% em mortes violentas intencionais (MVI).

Polícia na fronteira

Apesar das constantes quedas dos índices de criminalidade, no âmbito de todo o território acreano, a Sejusp, desde o início de abril deste ano, reforçando o enfrentamento e a prevenção aos crimes transfronteiriços, atua com uma força-tarefa na Região do Alto Acre. 

Nos mesmos moldes dos trabalhos que estão sendo desenvolvidos no Alto Acre, compreendendo ações preventivas, repressivas, buscas e apreensões, pelas polícias Militar, Civil e Penal, grupamentos do Bope, Core, Gefron e Ciopaer, uma outra força operacional atua no Baixo Acre, desde o dia 9 deste mês.

Como exemplo de efetividade, na manhã desta terça-feira, 17, uma ação da força-tarefa impediu que uma caminhonete roubada, na zona rural do município de Plácido de Castro, fosse levada para a Bolívia. Após poucas horas do crime, a partir de um cerco montado pelas forças policiais, o veículo foi recuperado.

 

[Agência de Notícias]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.