Família de Anderson do Carmo processa Flordelis em R$ 800 mil por danos morais

Após a condenação a mais de 50 anos de prisão na esfera criminal pela morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, Flordelis deve enfrentar em breve um novo processo ligado ao caso.

Desta vez, na esfera cível e movido pela família de Anderson, que a processa por danos morais e pede uma indenização inicial de R$ 800 mil.

Esse tipo de ação é comum em casos de morte provocada e é entendida como um jeito de reparar "o sofrimento, a dor e o trauma provocados pela morte de um ente querido" pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Flordelis é processada pelo pai de Anderson, Jorge de Souza, que pede R$ 500 mil, pela irmã do pastor, Cláudia Maria Rodrigues de Souza, que pede R$ 200 mil, e ainda pela tia, que ajudou a criar Anderson quando criança, Nádia Henrique, que solicita R$ 100 mil. Ao todo R$ 800 mil por danos morais pela morte do pastor.

Como o senhor Jorge de Souza morreu no curso do processo, caso a ação seja concedida à família, o dinheiro será herdado pela filha Cláudia Maria.

"Como ela foi condenada na esfera criminal, o processo cível é bem mais rápido porque vai ser entendido como coisa julgada. Basta anexar a sentença do criminal e pedir a sentença indenizatória", explica a advogada Renata Mello Lobo, que é uma das representantes da família de Anderson do Carmo.

Questionada se a celeridade no processo pode ajudar a defini-lo ainda este ano, a advogada diz não acreditar.

"Estamos há menos de um mês do recesso do judiciário e ainda temos uma Copa do Mundo no meio, quando os tribunais adotam horários especiais de funcionamento. Mas acredito que no começo de 2023 essa ação deve ser definida", explica a advogada.

Medo de dilapidação do patrimônio

Em fevereiro desse ano, os advogados chegaram a pedir a decretação de arresto de bens e bloqueio de valores, para evitar a dilapidação do patrimônio de Flordelis, mas o pedido foi negado pela Justiça.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Flordelis foi a responsável por planejar o homicídio do marido, o pastor Anderson do Carmo, além de ter convencido o executor direto e demais acusados a participarem do crime sob a simulação de ter ocorrido um latrocínio, tendo ainda financiado a compra da arma e avisado sobre a chegada da vítima no local em que foi executado.

Ainda de acordo com as investigações apontadas na denúncia, o crime teria sido motivado porque Anderson mantinha controle das finanças familiares e administrava os conflitos de forma rígida, não permitindo tratamento privilegiado às pessoas mais próximas da ex-deputada em detrimento de outros membros da família.

Flordelis foi denunciada em agosto de 2020 pelo Ministério Público. Segundo a denúncia, ela em conluio com outros denunciados, planejaram a morte de Anderson, que aconteceu na madrugada do dia 16 de junho de 2019, na casa da ex-deputada.

Em novembro de 2021, Flávio dos Santos Rodrigues, o filho que fez os disparos, foi condenado a 33 anos, 2 meses e 20 dias de prisão em regime inicialmente fechado por homicídio triplamente qualificado, porte ilegal de arma de fogo, uso de documento ideologicamente falso e associação criminosa armada.

Já Lucas Cézar dos Santos Souza, apontado por comprar a arma do crime, foi condenado na mesma ocasião a sete anos e meio por homicídio triplamente qualificado. Sua pena foi reduzida por ter colaborado com as investigações.

A Promotoria também apontou as tentativas de homicídio anteriores ao fato consumado, pela administração de veneno na comida e bebida da vítima, ao menos seis vezes, mas sem sucesso.

 

[G1]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.