MPAC consegue condenação de três réus por homicídio em guerra entre facções

O Ministério Público do Estado do Acre conseguiu a condenação, na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Rio Branco, de três pessoas pelo homicídio e ocultação de cadáver de Raimundo Lacerda do Nascimento, em maio de 2019, no bairro Taquari, em Rio Branco.

O crime gerou comoção na época, devido à crueldade dos autores, que decapitaram a vítima e registram a ação em vídeo, o qual acabou sendo disseminado em redes sociais. A motivação do crime seria por rivalidade entre facções criminosas.

Presidido pela juíza Luana Campos, o julgamento popular ocorreu no dia 14, com duração de 11 horas. Somadas as penas individuais, o total chega a cerca de 80 anos de prisão

O MP acreano foi representado pelo promotor de Justiça Júlio César de Medeiros, que convenceu os jurados em plenário com a tese de que os réus foram impelidos por motivo torpe e mataram a vítima de forma cruel, mediante recurso que dificultou sua defesa.

Conforme consta nos autos, entre os dias 15 e 17 de maio de 2019, a vítima teria sido atraída ao local do crime por Adriana Silveira da Cruz, que dissimulou um encontro com o objetivo de colocá-la nas mãos de membros de duas facções aliadas que atuavam na região, por acreditarem que Raimundo pertencia a uma organização criminosa inimiga.

Sob o domínio dos algozes, ele foi amarrado e decapitado com golpes de faca, sendo toda a ação criminosa filmada por Adriana.

Os responsáveis pela execução foram Arlys Keuby de Oliveira Almeida e Emerson da Silva Saraiva, os quais contaram com colaboração de dois menores de idade de 17 anos. Logo depois, o grupo lançou o cadáver no Rio Acre, não sendo mais encontrado.

O Conselho de Sentença acolheu integralmente o pedido do Ministério Público e condenou os três réus pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menores e pertencimento a organização criminosa.

Na sentença, a juíza negou a eles o direito de recorrer em liberdade e fixou o regime inicial fechado para cumprimento de pena.

“É importante ressaltar neste caso a atuação da Polícia Civil, apurando uma pluralidade de provas indiciárias coerentes, concatenadas, convergentes, e a inexistência de contraindícios, o que formou um conjunto probatório seguro e robusto pela condenação, muito embora os réus não tenham confessado em juízo”, destacou o promotor Júlio.

 

 Agência de Notícias do MPAC


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.