Mantida condenação de homem que estuprou criança de cinco anos

Réu seria vizinho dos pais da vítima e teria se aproveitado do livre acesso à casa da família para cometer o crime.

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Acre manteve a condenação de um homem a uma pena de oito anos de prisão, em regime inicial semiaberto, pela prática do crime de estupro de vulnerável.

A decisão, que teve como relator o desembargador Pedro Ranzi, considerou não ter motivos para reforma da sentença, a qual foi considerada adequada e proporcional à gravidade do delito cometido.

Entenda o caso

O réu foi condenado pela 2ª Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Rio Branco pelo estupro de uma garota de apenas cinco anos de idade, filha de vizinhos do denunciado, “aproveitando-se do livre acesso que tinha à residência”.

A sentença considerou as graves consequências do crime para a vítima, além da comprovação da materialidade (provas materiais, como exames e laudos médicos) e autoria do delito, o qual é classificado pela legislação em vigor como crime hediondo (de maior gravidade e reprovação).

A defesa, por sua vez, requereu a anulação do inquérito policial, alegando, em síntese, que não foi respeitado o direito ao contraditório e à ampla defesa. Também foi solicitada a desclassificação do crime para o delito de importunação sexual.

Sentença mantida

Ao analisar o recurso, o desembargador relator destacou, inicialmente, que “nenhuma nulidade há de ser declarada sem a prova do efetivo prejuízo”, o que não ocorreu, no caso.

Em seu voto, o magistrado de 2º Grau também observou que “não há contraditório no inquérito policial, já que é apenas um procedimento preparatório da denúncia, não sendo imprescindível para ela”.

No entendimento do relator, restou, ainda, devidamente comprovado durante a instrução processual que o denunciado praticou “atos libidinosos diversos da conjunção carnal” com a vítima, configurada, desta maneira, a prática de estupro de vulnerável.

“Portanto, a conduta em apuração (…) não pode ser considerada como importunação sexual (…). Assim, não há que se falar em desclassificação do crime de estupro de vulnerável.”

O voto do relator foi acompanhado, à unanimidade, pelos demais desembargadores membros da Câmara Criminal do TJAC. Dessa forma, foi mantida a sentença condenatória por seus próprios fundamentos.

 

TJAC


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.