Mulher que alegou saque de nota falsa tem recurso negado pela Justiça

Decisão considerou que a própria autora deu causa aos danos sofridos ao se recusar a seguir trâmite administrativo previsto pelo Bacen.

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) decidiu negar a Apelação apresentada por uma consumidora, deixando, assim, de obrigar um banco da Capital a trocar nota falsa, supostamente emitida em caixa de atendimento presencial.

A decisão, que teve como relator o desembargador Roberto Barros, publicada na edição nº 6.473 do Diário da Justiça Eletrônico (DJE, fl. 11), também negou indenização por danos morais pleiteada pela autora, em decorrência do episódio.

Entenda o caso

A consumidora alegou à Justiça que sacou uma nota falsa em uma agência bancária de Rio Branco, tendo percebido a não autenticidade da cédula somente ao tentar depositá-la em outro banco.

O pedido para obrigar a agência à troca da nota foi negado pelo Juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco. A sentença considerou que a alegação de falsidade não ocorreu no momento do saque, mas posteriormente, sendo que, ao ser informada de que a cédula seria retida, a consumidora recusou a realização do procedimento administrativo para troca previsto pelo Banco Central.

Inconformada, ela apresentou recurso de Apelação junto à 2ª Câmara Cível do TJAC, objetivando a reforma da sentença com a consequente troca da nota ilegítima, além da condenação da agência bancária ao pagamento de indenização por danos morais.

Sentença mantida

Ao analisar o recurso, o desembargador relator Roberto Barros destacou que a Circular nº 3.798/16 Bacen “de fato dispõe que deveria ocorrer a substituição da nota alegadamente falsa”. Porém, a consumidora se negou a preencher formulário e entregar a cédula para efetivação do procedimento de troca.

“Não tendo a autora procedido ao preenchimento de formulário e submetido a referida nota à análise, não se pode constatar que: 1) a cédula fora repassada pelo banco apelado e 2) que a cédula realmente é falsa, conquanto (contudo) não fora encaminhada à análise do Banco Central”, assinalou o desembargador relator.

Dessa forma, o relator considerou que foi a recusa da própria consumidora em seguir os trâmites administrativos para o procedimento e a reclamação feita em momento posterior ao saque inviabilizaram os pedidos.

“A apelante sabendo da suposta falsidade, e não se submetendo ao procedimento adequado, por vontade própria, tentou colocar a nota em circulação, de modo que eventual dano (moral) decorreu de sua própria conduta.”

Os demais desembargadores que compõem a 2ª Câmara Cível do TJAC acompanharam, à unanimidade, o voto do relator, rejeitando, por fim, o recurso.

 

TJAC


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.