OMS pede vacinas e alerta que ômicron representa risco global "muito alto"

A variante ômicron representa um risco global "muito alto" e poderá se espalhar pelos territórios de diferentes continentes de forma acelerada. O alerta foi feito hoje pela OMS (Organização Mundial da Saúde), num documento enviado aos governos, pedindo que maior atenção seja dada para impedir que uma nova fase da crise sanitária saia de controle. A entidade fez ainda um apelo para que doses de vacinas sejam distribuídas aos países mais pobres e que a mutação é prova de que a pandemia apenas vai ser controlada quando ela for freada em todas as partes.

De acordo com a entidade, em alguns locais, a mutação do vírus da covid-19 poderá ter "graves consequências". Na semana passada, o governo sul-africano alertou a agência sobre a identificação da nova mutação do vírus da covid-19. E, como consequência, governos em várias regiões do mundo passaram a colocar barreiras para diversos países africanos, gesto que foi criticado pela OMS. Para agência, porém, o momento é de atenção. "A ômicron tem um número sem precedentes de mutações de picos, algumas das quais são preocupantes por seu potencial impacto na trajetória da pandemia", disse a OMS. "O risco global geral relacionado à nova variante de preocupação da ômicron é avaliado como muito alto".

"As evidências preliminares sugerem que pode haver um risco maior de reinfecção com esta variante, em comparação com outras variantes de preocupação", diz a entidade.

"Dependendo destas características, se outro grande surto de covid-19 ocorrer impulsionado pela ômicron, as consequências podem ser severas. Casos crescentes, independentemente de uma mudança na severidade, podem representar exigências esmagadoras para os sistemas de saúde e podem levar a um aumento da morbidade e mortalidade. O impacto nas populações vulneráveis seria substancial, particularmente em países com baixa cobertura vacinal", alerta a OMS aos governos.

Segundo a agência, algumas das mutações são "preocupantes e podem estar associados ao potencial de fuga imunológica e maior transmissibilidade". "Entretanto, ainda existem incertezas consideráveis", admite. "Dadas as mutações que podem conferir potencial de fuga imunológica e possivelmente vantagem de transmissibilidade, a probabilidade de propagação potencial da ômicron em nível global é alta", alerta.

"Dependendo destas características, pode haver futuros surtos, que podem ter consequências severas, dependendo de uma série de fatores, inclusive onde os surtos podem ocorrer. O risco global geral relacionado à nova mutação é avaliado como muito alto".

Acelerar vacinação

A agência admite que existe uma corrida entre cientistas para tentar entender os riscos gerados pela nova cepa, identificada no continente africano. Mas a OMS não faz qualquer recomendação para que haja uma suspensão de voos com a região. A recomendação principal é para que países acelerem a vacinação de grupos de alta prioridade, além de reforçar sistemas de saúde.

Para a agência, governos devem "acelerar a cobertura vacinal o mais rápido possível, especialmente entre as populações designadas como de alta prioridade que permanecem não vacinadas ou ainda não estão totalmente vacinadas".

[Portal Uol]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.