Fórmula chinesa imuniza ratos e macacos contra o novo coronavírus

A busca de uma vacina para a covid-19 segue a todo vapor, e mais uma das candidatas à imunização para a doença, que acomete mais de 3,7 milhões de pessoas em todo o mundo, foi apresentada, ontem, por cientistas chineses. Chamada de PiCoVacc, a fórmula foi aplicada em ratos e macacos infectados com Sars-CoV-2, com sucesso: provocou uma estimulação de anticorpos 10 vezes maior do que em pacientes já curados. Com os resultados descritos na última edição da revista americana Science, a vacina deve ser testada em pessoas ainda este ano.

Uma das estratégias mais exploradas em estudos de imunização é o uso do vírus inativado e purificado, ou seja, sem poder de transmissão. Isso faz com que o patógeno possa ser usado com segurança. “Esse tipo de método tem sido muito usado no desenvolvimento de vacinas, e com muito sucesso, como no caso da influenza (gripe) e o poliovírus (poliomelite). Por isso, resolvemos explorar a mesma estratégia para a covid-19”, destacaram os autores do estudo, que foram liderados por Qiang Gao, pesquisador do laboratório Sinovac Biotech, na China.

Os cientistas isolaram 11 cepas do vírus Sars-CoV-2 de 11 pacientes hospitalizados na China, na Itália, na Suíça, na Reino Unido e na Espanha. Os pesquisadores selecionaram uma delas, que foi usada como candidata à vacina, batizada de PiCoVacc. Em testes com ratos, o fármaco experimental aumentou em 10 vezes a quantidade de anticorpos que agem contra a proteína de pico do vírus (a molécula responsável pela replicação do patógeno no organismo), em comparação com pacientes já recuperados da covid-19.

A vacina foi capaz de gerar o mesmo nível de proteção nas cobaias infectadas com as 10 cepas restantes do vírus. “Todos esses resultados nos mostraram que a PiCoVacc é capaz de obter respostas extremamente efetivas na estimulação do sistema imune”, frisaram os pesquisadores.

Dosagem

Na segunda etapa do estudo, os cientistas testaram a PiCoVacc em macacos, em quantidades distintas: doses de 1,5 micrograma ou 6 microgramas, todas aplicadas três vezes ao longo de duas semanas. Como resultado, os pesquisadores observaram que todos os primatas não humanos, em quaisquer das cepas testadas, mostraram uma ação maior do sistema imune.

Os pesquisadores constataram, porém, que o grupo que recebeu as dosagens maiores do fármaco se mostrou totalmente protegido do novo coronavírus. “Vimos que o resultado de 6 microgramas foi maior e totalmente efetivo. Outro ponto positivo é que, por meio do monitoramento de sinais clínicos, do índice hematológico e análise microscópica de tecidos feitos nos macacos, conseguimos observar que a vacina é segura”, ressaltaram os cientistas.

Como o estudo ainda é inicial, os cientistas destacam que mais análises são necessárias para entender melhor o comportamento da vacina no organismo. “Coletivamente, esses resultados sugerem um caminho a seguir para o desenvolvimento das vacinas para Sars-CoV-2 que possam ser usadas em seres humanos. Os ensaios clínicos com PiCoVacc devem começar ainda este ano”, anunciaram os autores do estudo.

Ana Karolina Barreto Marinho, coordenadora do Departamento Científico de Imunização da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), destaca que os dados obtidos no estudo científico chinês são extremamente positivos e animadores. “Esse é um grande avanço, pois os resultados dos experimentos com animais foram muito satisfatórios, e obtidos com segurança. Outro ponto muito positivo é que os ganhos foram os mesmos em todas as 10 cepas testadas, algo que mostra como a vacina pode ser eficaz em diferentes tipos de mutação do vírus”, detalhou a especialista brasileira.

A médica ressalta que o uso do vírus desativado é algo muito benéfico pois faz com que a fórmula possa ser usada por pessoas que tenham problemas imunes, sem riscos. “Nesse tipo de estratégia, o uso de apenas partes do patógeno, todas ‘desativadas’, impede que indivíduos que sofrem com um problema autoimune, e que já possuem um sistema de defesa comprometido, reajam de forma negativa à vacina, o que reforça o nível de segurança”, opinou, acrescentando. “Acredito que um próximo passo importante é testá-la em um número reduzido de pacientes, e tendo resultado positivo, expandir para mais pessoas.”

Avanço animador

O uso do próprio vírus para desenvolver vacinas é algo que tem sido muito usado e que rendeu frutos no combate a outras enfermidades. Acredito que, com os resultados positivos obtidos nessa pesquisa, nos testes com macacos, isso se repita no caso da covid-19. Precisamos deixar claro que o desenvolvimento de uma vacina é algo que demora, pois são necessárias muitas etapas para comprovar sua segurança. É um avanço positivo e animador, com certeza, mas essa e outras fórmulas ainda demorarão um tempo para serem utilizadas. É importante ressaltar isso para não dar falsas esperanças às pessoas. Enquanto não temos como usar essas estratégias, é preciso manter o que temos de recursos no momento para evitar a doença, que é o isolamento, o uso de máscaras e lavar sempre as mãos.” Marli Sartori, infectologista do Hospital Santa Lúcia, em Brasília. 

 

Correiobraziliense


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.