Acre possui mais de 47% de seu território composto por Unidades de Conservação

Situado na Região Norte do país, o Acre possui uma história de luta e resistência das populações tradicionais – índios, extrativistas, ribeirinhos e agricultores familiares – em defesa e proteção do meio ambiente.

Ideologia reproduzida pelo governo do Estado que executa uma política de desenvolvimento sustentável que reflete na melhoria da qualidade de vida dos acreanos e crescimento socioeconômico da região.

Com 87% de floresta nativa, o estado concentra 22 Unidades de Conservação (UCs) e 36 Terras Indígenas – 47,9% do território protegido por lei.

Em curso de seu segundo mandato, o governador Tião Viana aposta na valoração do capital florestal, adotando como slogan de sua gestão “Acre: Floresta Habitada, Produtiva e Conservada”.

Do total de UCs, três são de proteção integral: Estação Ecológica do Rio Acre, Parque Nacional da Serra do Divisor – geridas pelo governo federal –, e Parque Estadual do Chandless (segundo maior da Região Norte), gerenciado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

As outras 19 são de uso sustentável, ou seja, admitem a presença de moradores, que compartilham da conservação da natureza com o uso racional dos recursos.

O governo é responsável por oito Unidades de Conservação Estadual: Chandles; Florestas Estaduais do Antimary, do Rio Gregório, do Mogno e do Rio Liberdade; Área de Relevante Interesse Ecológico Japiim Pentecoste; Áreas de Proteção Ambiental Igarapé São Francisco e Lago do Amapá.

“Aproximadamente metade do território acreano é composto por áreas protegidas, onde a Sema visa a conservação e uso sustentável pelos comunitários”, explica a coordenadora do Departamento de Áreas Protegidas e Biodiversidade, Cristina Lacerda.

Uma nona UC Estadual se encontra em processo de criação. O anuncio desta unidade foi dado durante a 21° Conferencias das Partes (COP 21), promovida em 2015, em Paris, na França. A Floresta Estadual Afluente/Jurupari fica localizada entre Manoel Urbano e Feijó, possui uma área de 155 mil hectares.

Floresta produtiva

Para garantir a geração de emprego, renda e qualidade de vida das populações da floresta, o governo do Acre tem direcionado recursos que impulsionam o crescimento produtivo nas unidades de conservação.

Somente no Complexo de Florestas Públicas do Rio Gregório e entorno, o Estado injetou R$ 36,6 milhões no fortalecimento da cadeia de produtos florestais madeireiros e não madeireiros; instrumentalização das associações e cooperativas de produtores e extrativistas; formação e apoio aos grupos indígenas de agentes agroflorestais; implantação de fábricas de beneficiamento de produtos florestais, para extração de óleos; bônus de manejador florestal e na construção de habitações rurais.

A Reserva Extrativista Chico Mendes, que é de responsabilidade do governo federal, recebeu R$ 35 milhões de investimentos do Estado, nas áreas de infraestrutura, saneamento e produção sustentável.

 

Agência

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.