Acre apresenta seus resultados em atividade do Brasil na COP-23

No desenvolvimento de suas políticas públicas, o Acre tem contado com o apoio de instituições financeiras internacionais e também com o Fundo Amazônia, programa do governo federal gerido pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Graças aos resultados em ações apoiadas pelo Fundo, o estado foi convidado para participar do Painel BNDES, nesta quinta-feira, 16, dentro do Espaço do Brasil na COP-23, em Bonn, na Alemanha.

“O Fundo Amazônia aporta recursos não reembolsáveis para que os estados da região desenvolvam políticas ambientais e florestais, e como nos destacamos em vários projetos apoiados, nos trouxeram aqui para mostrarmos um pouco de nossa experiência”, explicou o secretário adjunto de Meio Ambiente, João Paulo Mastrângelo, que representou o Estado no evento.

Mastrângelo afirmou que, a partir das diretrizes políticas do governador Tião Viana, foi possível fortalecer a agenda ambiental no Acre. “Nós ficamos muito orgulhosos em poder mostrar aqui os resultados alcançados, os desafios e, principalmente, as novas oportunidades que estão surgindo para o Acre no financiamento de políticas ambientais”, completou.

Efetividade do CAR

O Acre foi um dos primeiros estados do Brasil a alcançar as metas do Cadastro Ambiental Rural (CAR). O registro eletrônico dos imóveis rurais chegou a marca de 48.379 mil propriedades, atendendo mais de 90% da área cadastrada, conforme dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

O CAR é um dos requisitos do novo Código Florestal Brasileiro e foi regulamentado no Acre em junho de 2014, pelo decreto nº 7.734. ”Nenhum outro estado brasileiro encontrou tão boas condições para desenvolver e implementar esta ferramenta”, pontuou João Paulo Mastrângelo.

Segundo ele, além de continuar com o trabalho de cadastramento, o estado se prepara para uma nova etapa. “Agora nós estamos preparando essas áreas [as já cadastradas] para o programa de regularização, de forma que os produtores que desejarem se ajustar à lei terão essa oportunidade”, informou.

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.