Defesa Civil de Rio Branco promove seminário sobre produtos perigosos

A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Rio Branco  (COMDEC) promove, de 28 a 29 de agosto,  no auditório da Secretaria de Estado da Educação, o 1º Seminário Sobre Produtos Perigosos com  o objetivo de aprofundar o debate acerca da manipulação de  produtos perigosos. Nos últimos tempos, as defesas civis tem observado com preocupação o aumento das ocorrências envolvendo esses produtos. O último exemplo foi a explosão de um cilindro de oxigênio armazenado em uma residência do Conjunto Manoel Julião, em Rio Branco, que acabou com a morte de um homem em maio passado.

 

O tema do seminário é “Ações e desafios para política de produtos perigosos”. Participarão representantes do Instituto Federal de Educação (IFAC),  das  defesas civis federal, estadual e municipal; Corpo de Bombeiros, Secretaria de Estado do Meio Ambiente e da Comissão de Gestão de Riscos do Acre, além de técnicos das defesas civis dos departamentos (Estados) do Pando, na Bolívia, e Madre de Dios, no Peru. “Substâncias químicas que ao serem manipuladas inadequadamente podem ocasionar acidentes”, alertou o coordenador municipal de Defesa Civil de Rio Branco, George Santos. “Assim, o seminário tem como objetivo promover o debate e a discussão sobre ações do poder público e dos órgãos envolvidos nessa problemática”, completou Santos.

 

Produtos perigosos são os de origem química, biológica ou radiológica que apresentam um risco potencial à vida, à saúde e ao meio ambiente, em caso de vazamento. O grande avanço tecnológico, cada vez mais rápido, tem aumentado a quantidade e a variedade de produtos químicos em uso o que, por sua vez, aumenta a possibilidade e a gravidade dos acidentes. Os acidentes podem acontecer durante a fabricação e o processamento, o transporte, a estocagem e o descarte.

 

De acordo com a literatura especializada, os  incidentes podem acontecer, basicamente, de duas maneiras: derramamento acidental; depósito clandestino. Cada produto recebeu um número de quatro algarismos, sendo agrupados em nove classes, conforme a similaridade: explosivos, gases comprimidos; líquidos inflamáveis; sólidos Inflamáveis; substâncias oxidantes; substâncias tóxicas e infectantes; substâncias radioativas; corrosivos; diversos.

 

 

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.