Pesquisador da Ufal afirma que aquecimento é uma mentira global

ANTONIO MUNIZ

Em entrevista ao programa Boa Noite Rio Branco, nesta quinta-feia, na TV Rio Branco-SBT, o doutor Luiz Carlos Molion, professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), afirmou que, ao contrário do que muitos afirmam, não existe aquecimento global.

Molion estava acompanhado do senador Marcio Bittar (MDB-AC) que, juntamente com o governador Gladson Cameli (PP) convidaram o cientista a visitar o Acre para proferir três palestras sobre Amazônia, Clima Global e desenvolvimento Regional.

A primeira palestra foi realizada no plenário da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), na manhã desta quinta-feira. A segunda foi na noite de quinta, na Uninorte e, a terceira, na manhã desta sexta-feira,29, no auditório do Sebarae.  

Paulista da capital, Luiz Carlos Molion é um meteorologista brasileiro. professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), doutor em Meteorologia e pós-doutor em Hidrologia de Florestas.

Marcio Bittar lembrou que Molion é um dos principais representantes no Brasil do negaciosismo climático, alegando que o homem e suas emissões de gases estufa na atmosfera são incapazes de causar um aquecimento global”, afirma o senador.

Ainda segundo Bittar, o doutor  Molion, este sim, especialista no estudo do clima, costuma chamar a atenção para os enormes buracos metodológicos na pseudociência que nos alarma com a cantilena de que as emissões de gases do efeito estufa, provocadas pelo homem, aquecerá o planeta a níveis insuportáveis.

Molion afirma  que este alarmismo não se sustenta à luz da ciência e demonstra claramente, em linguagem acessível. Ele é duramente contestado por outros cientistas que atende aos interesses de países desenvolvidos e, ao que parece, querem emperrar o desenvolvimento do Brasil e de outras nações.

Segundo Marcio Bittar, o ouvir o doutor  Molion, assim como Ricardo Felício e outros grandes cientistas céticos brasileiros é, no mínimo, abrir os olhos para ver o outro lado, o lado da verdade e da realidade. Ele agradeceu ao governador Gladson Cameli (PP)por ter convidado Molion a proferir palestras no Acre.

Mais sobre o doutor Molion

Além de ser doutor em Meteorologia e pós-doutor em Hidrologia de Florestas, Molion também possui graduação em Física pela Universidade de São Paulo (1969), PhD em Meteorologia, University of Wisconsin, Madison (1975), pós-doutorado em Hidrologia de Florestas, Institute of Hydrology, Wallingford, UK (1982) e foi fellow do Wissenschaftskolleg zu Berlin, Alemanha (1989-1990).

Por muitos anos, foi pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, diretor da área de ciências espaciais e atmosféricas em 1985 e diretor associado em 1986, ano em que co-coordenou um projeto de pesquisa sobre a Amazônia em parceria com cientistas da Nasa.

Foi diretor da Fundação para Estudos Avançados no Trópico Úmido em Manaus, professor palestrante convidado da Western Michigan University de 15 a 30 de janeiro de 2001, e delegado do Brasil na 15ª reunião da Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial em 2010.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.