Bolsonaro fará cerimônia para anunciar prorrogação do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro anuncia nesta terça-feira (30) a prorrogação do auxílio emergencial para ajudar trabalhadores sem carteira assinada, autônomos, MEIs e desempregados durante a crise gerada pela pandemia do coronavírus.

Seguindo a orientação de auxiliares, Bolsonaro decidiu fazer o anúncio com ares políticos, já que o auxílio emergencial tem ampliado sua popularidade em regiões mais carentes do país.

O anúncio da cerimônia, marcada para as 16 horas, foi divulgado na noite desta segunda-feira pela Secretaria de Comunicação da Presidência.

Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter dito na semana passada que o auxílio emergencial seria prorrogado “provavelmente” em mais três parcelas (de R$ 500, R$ 400 e R$ 300), nesta segunda-feira, técnicos da economia e articuladores do governo ainda avaliavam os cenários possíveis e suas implicações com a decisão.

De acordo com um auxiliar do Planalto, a ordem “é não vazar para que o anúncio tenha impacto positivo pela boca do presidente”.

Contas

Segundo fontes do Palácio do Planalto, além das contas que precisam se encaixar dentro do orçamento, é preciso levar em consideração o componente político na decisão: não criar atritos com o Congresso. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defende publicamente mais duas parcelas de R$ 600.

O auxílio emergencial foi criado em abril e o prazo para solicitação das três parcelas de R$ 600 oferecidos na primeira leva do programa acaba nesta semana – dia 2 de julho.

Tanto Bolsonaro como o ministro da Economia, Paulo Guedes, já afirmaram que “a União não aguenta” mais duas parcelas de R$ 600. Segundo o governo, o pagamento de cada parcela de R$ 600 custa em torno de R$ 50 bilhões por mês para os cofres da União.

Além dos valores e das parcelas o governo também estudou nesta segunda-feira os instrumentos jurídicos necessários para regulamentar a extensão do auxílio.

 

UOL

 

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.