Governador visita Instituto Butantan e reitera pedido de apoio para o Acre

Agência de Notícias

O governador Gladson Cameli visitou nesta quarta-feira, 27, o principal produtor de imunobiológicos do Brasil, o Instituto Butantan, em São Paulo. Acompanhado do secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene; do secretário de Ciência e Tecnologia (Seict), Anderson Abreu; do diretor de Transporte Aeronáutico da Casa Militar, Carlos Augusto Negreiros; e do procurador-geral do Estado, João Paulo Setti; o governador conheceu todo o trabalho realizado no instituto e foi recebido pela diretoria técnica da entidade.

“Precisamos continuar em prevenção com muita responsabilidade e o Instituto Butantan é uma referência para todo o Brasil. Mas, além disso, somos o corredor principal de acesso ao Oceano Pacífico e estamos de portas abertas para  colaborar com a ciência, diante de toda a riqueza amazônica, que temos disponível em nosso estado. Estou aqui para ajudar para que possamos construir pontes”, enfatizou o governador.

O governador disse, ainda, que busca parceria no diagnóstico dos casos de Covid-19 no Acre, inclusive com a possibilidade de ampliar a capacidade de testes. “Precisamos de apoio à Sesacre no monitoramento dos dados para trabalharmos na prevenção e combate ao vírus”, enfatizou.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, explicou que o Acre representa um ponto de diversidade muito importante no ecossistema e isso precisa ser contemplado nas estratégias de fortalecimento e integração, para bem servir um conjunto de ações importantes. Disse ainda que no momento todas as energias do instituto estão concentradas na situação da Covid-19.

“A sua presença aqui muito nos alegra. Temos acompanhado sua gestão e vimos que o senhor está muito preocupado com o seu estado. O Acre tem uma importância muito grande e gostaríamos de colaborar com ações que possam beneficiar a população. Estamos aqui a serviço da vida e sabemos que o senhor tem defendido a vida do povo do Acre com muita dedicação”, observou o diretor.

Covas deixou a equipe da Fundação e Instituto Butantan à disposição da equipe da Secretaria de Saúde e do Comitê Covid no Acre, para que possam organizar estratégias e colaborar em ações emergenciais de saúde para o Acre. Entre as ações mencionadas pelo diretor, está a doação de plasma sanguíneo, que é a parte líquida do sangue e corresponde a 55% do volume total do fluido. Ele é composto de proteínas, sais minerais, gás carbônico e outras substâncias dissolvidos em água e muito usado no tratamento da Covid-19.

O secretário de Saúde, Alysson Bestene, também agradeceu e parabenizou os pesquisadores do Instituto Butantan por tamanha dedicação durante estes meses, especificamente em relação à produção da vacina Coronavac. Bestene relatou aos gestores do instituto que, após 24 horas do recebimento, a vacina já havia sido distribuída para todos os municípios do Acre. “Temos nos empenhado muito para que nossos indígenas, profissionais da saúde e idosos sejam vacinados o mais rápido possível, para que possamos ter mais tranquilidade e queda nos números de casos”.

Cameli concluiu sua fala na reunião enaltecendo os esforços pela saúde humana realizados pelos pesquisadores: “Jamais poderemos agradecer o que vocês fizeram e continuarão fazendo por todos nós. Temos muito respeito pelo trabalho e dedicação de cada um de vocês. Não quero perder tempo, para salvar a população do meu estado a superar esse momento que estamos passando. Por isso queremos continuar contando com apoio de vocês”.

Além do diretor Dimas Covas, a comitiva acreana foi recebida pelo diretor de estratégias institucionais da Fundação Butantan, Raul Machado Neto; pelo diretor jurídico Paulo Capelotto; pela diretora de projetos estratégicos, Cintia Retz e assessora técnica Jaqueline Borin, todos pertencentes à Fundação Butantan.

O que o Instituto Butantan faz?

O Instituto realiza pesquisas, desenvolve estudos científicos nas áreas de biologia e de biomedicina relacionados, direta ou indiretamente, com a saúde pública; realiza missões científicas no país e no exterior por meio das organizações Mundial e Panamericana da Saúde, da ONU (Organização das Nações Unidas) e da Unicef (Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas) e colabora para a melhoria da saúde global, com outros órgãos da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e do Ministério da Saúde.

Atualmente existem mais de cem mil artigos científicos públicos em revistas de renome nacional e internacional elaborados pelos pesquisadores do Instituto e da Fundação Butantan.

Com informações do site oficial do Instituto Butantan.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.