Crise na Fronteira: Sem salários, professores da Universidade de Pando fecham as ruas de Cobija

Por Wanglézio Braga / Foto: Perla del Acre

Professores, alunos e profissionais administrativos da Universidade Amazônica de Pando (UAP) foram às ruas de Cobija, hoje (17), para marchar contra a falta de estrutura para o funcionamento da maior universidade pública do norte da Bolívia, localizada no Departamento de Pando. A entidade é uma das principais da região de fronteira e atende tanto bolivianos quanto brasileiros que vivem em Epitaciolândia e Brasileia, no Acre.

O movimento dessa quinta-feira é o segundo em menos de uma semana. Agora, com apoio de diversas instituições representativas e de agremiações políticas do departamento, eles pedem aumento dos recursos de subsídio ordinário para o financiamento de carreiras, garantia de sustentabilidade da instituição e estabilidade dos docentes. Além da falta de verbas, a universidade registrou, durante o ano, um rombo B$ 11 milhões de bolivianos.

Com a crise, professores e setores administrativos estão há meses sem receberem os salários. A falta de resposta para com os apelos deles junto ao governo nacional e um diálogo mais promissor com o Ministério da Educação daquele país provocaram os movimentos.

Durante os protestos, os manifestantes prometeram radicalizar por fechar ainda a pontes Internacional, entre Epitaciolândia, e da Amizade que ligam Cobija à Brasiléia. A ponte dessa última cidade está fechada por conta da Pandemia do Coronavírus, Covid-19. Também disseram que vão fechar as principais estradas que dão acesso ao departamento o que pode provocar desabastecimentos em massa.

Estudantes brasileiros e bolivianos estão preocupados com o rumo que a administração da Universidade vem levando a ponto de acharem que vão perder os seus cursos caso a instituição decrete situação de emergência.  


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.