Acre cresce em todas as etapas da educação básica e segue em 1º lugar no fundamental no Norte

Pelo segundo ano consecutivo, o Acre manteve-se em primeiro lugar na região Norte, no ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), nas séries iniciais do ensino fundamental [do 1º ao 5º ano]. O Ideb 2019 foi divulgado na manhã desta terça-feira, 15, e a cada dois anos, serve como termômetro para medir as boas práticas escolares em todo o país. Esses números, em especial, são referentes à rede pública estadual de ensino, e, portanto, estão de fora aqui os relacionados à rede particular de ensino.

De 2017 para 2019, o salto do Acre nestas séries iniciais foi de 1,6%. Ainda nesta modalidade, o Índice mostrou, por exemplo, que de um ranking de zero a 7, o estado obteve índice de 6,2, ficando à frente de todos os demais estados da Amazônia Legal. Em segundo lugar vêm o Amazonas e o Tocantins, com 5,8. Rondônia ficou em segundo, com 5,7 e o Pará, na quarta posição com 5,0, seguido do Amapá, na última colocação, com 4,8.

O secretário de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE), Mauro Sérgio Cruz, recebeu com alegria os resultados, mas ressaltou que o momento ainda é de trabalhar para avançar mais. “Nós trabalhamos sempre para obter a melhor nota. Estamos focando na necessidade de melhorar o Ideb, e isso só nos motiva a trabalhar mais ainda, entendendo que é preciso avançar mais por uma educação de qualidade”, reagiu Cruz.

Nas séries dos anos finais do fundamental [6º ao 9º ano], o crescimento foi ainda mais significativo. De 2017 para 2019, o índice foi de 2,13%.

Criado em 2017, o Ideb é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar obtidos no Censo Escolar, e das médias de desempenho no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). O indicador reúne resultados de dois conceitos importantes para a qualidade da educação, que são o fluxo escolar e as médias de desempenho nas avaliações.

Ensino médio: Acre é o 5º mais bem posicionado do Norte e Nordeste

Nas séries do ensino médio, o Acre teve alta de 2,57%, entre 2017 e 2019. O estado ficou em quinto lugar no Ideb, com um índice de 3,74, dos 16 estados avaliados. O estado ficou atrás do Pernambuco, Ceará, Rondônia e Tocantins, num índice de zero a 4,50.

Para a diretora de Ensino da SEE, Denise dos Santos, a organização da rede de ensino pública, logo após a fase de transição de governo, aliada à aplicação criteriosa das avaliações diagnósticas, permitiram intervenções pontuais para melhorar o ensino-aprendizagem.

“Contratação de professores e a organização da rede em abril também contribuíram. No entanto, reconhecemos que estamos ainda num processo que precisa melhorar muito mais. Isso é o mais importante”, pontua Santos.

O Acre tem 614 escolas na rede pública e cerca de 150 mil estudantes.

 

Agência


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.