Parlasur discute projeto que pode trazer via férrea para o Acre

Por Wanglézio Braga

Foi realizada hoje (15) mais uma reunião do Parlamento do Mercosul (PARLASUR) com objetivo de discutir o Projeto da Ferrovia Transoceânica que também é conhecida como Ferrovia Transcontinental ou Ferrovia Biocênica que ligará o litoral norte do Rio de Janeiro (RJ) à malha ferroviária do Peru, passando pelos estados de Goiás (GO), Mato Grosso (MT), Rondônia (RO) e o Acre. O encontro contou com a participação da deputada federal, Perpértua Almeida (PCdoB).

Os debates em torno desta obra vêm desde maio de 2008, quando ela foi incluída no Plano Nacional de Viação. De acordo com projeto inicial, a Ferrovia Transoceânica ligará o litoral do RJ à malha ferroviária do Peru, passando pelas cidades de Campinorte (GO), Lucas do Rio Verde (MT), Vilhena (RO), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC) e Boqueirão da Esperança, na fronteira do Brasil com o Peru. A extensão total é estimada em 4.400 km de estrada de ferro. O trecho peruano tem extensão de 1,6 mil quilômetros e o brasileiro, quase 3,3 mil.

“Trata-se de uma ferrovia transcontinental que vai cruzar o nosso país no sentido leste-oeste cortando o continente sul-americano. É um empreendimento estratégico para o Brasil e nós, acreanos, queremos estar na articulação desse debate, porque muito nos interessa. Inclusive precisamos de um esforço de toda a nossa bancada, independente de posições políticas. É tema de muito interesse para o Acre pois viabilizaria entre o Atlântico e o Pacífico trazendo desenvolvimento ao estado”, disse a comunista que integra a Comissão de Infra-Estrutura da Câmara.

Em 2015, a ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff e o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, assinaram um plano de cooperação até 2021. Os dois países firmaram 35 acordos, entre os quais um que trata da Ferrovia Transoceânica. Dois anos depois, um estudo de viabilidade técnica foi apresentado e deu sinal verde para a construção. O estudo básico foi elaborado por um grupo chinês. Mas o projeto pode sofrer embaraços graças à postura do governo peruano, que tomou a decisão política de não investir na obra no momento.

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.