Auditora-chefe da Prefeitura ministra aula inaugural em capacitação de Justiça Comunitária

A Prefeitura de Rio Branco e o Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) realizaram mais uma ação pela promoção da Cultura de Paz em Rio Branco. Na manhã desta terça-feira, 12, a auditora-chefe da Controladoria Geral do Município, Ada Barbosa, ministrou aula inaugural do curso ‘Mediação de conflitos, inclusão e proteção de vulnerável’, realizado nas instalações da Faculdade Sinal.

“Estou aqui hoje representando, a chefe do executivo, prefeita Socorro Neri, que em exercício da função, precisou viajar em busca de interesses da população”, ressaltou a auditora-chefe que palestrou ao público presente sobre “A cidadania, o Munícipio e a gestão democrática das cidades”.

Realizado pelo TJAC, em parceria com o Colégio Militar Dom Pedro II, o curso, que se estende até o dia 16 de dezembro, promove capacitação em noção de direito, mediação e conciliação a estudantes representantes do Colégio Dom Pedro II, pais e agentes comunitários de justiça, do convênio do TJAC com a Prefeitura.

“Entendemos que para lidar com os conflitos, embora todo cidadão tenha a percepção do significado do valor justiça e do que significa seus direitos, mas a capacitação se torna necessário para formação deste público para que eles possam ser formados líderes-cidadãos para que a partir de suas famílias e das comunidades desenvolvam uma cultura de paz”, explicou a desembargadora Eva Evangelista, idealizadora e coordenadora do programa Justiça Comunitária.

Fortalecimento dos vínculos

Adotado pelo Colégio Militar Dom Pedro II, o curso ficou conhecido como “Semeando Respeito”. Para o diretor do Colégio, Major Craveiro, o projeto “é de suma importância para que os alunos tenham o conhecimento de direitos, leis e regulamentos que envolvem toda a comunidade, onde os mesmos serão mediadores para os demais alunos e para seus familiares”.

“Esse projeto expande o ensino regular. Consiste em educar futuras gerações, agregando valores de cidadania, da cultura de paz, éticos e morais, onde os mesmos absorvam e aprendam sobre seus direitos individuais e coletivos”, ressalvou Angélica Batista, coordenadora de ensino do Colégio Militar.

Para Antônia Freitas, agente comunitária de Justiça, que também é assistente social, “essa é oportunidade para adquirir, aprimorar e expandir conhecimentos para uma atuação mais eficiente na medicação conflitos junto à comunidade”.

Justiça Comunitária

Com objetivo de aproximar a Justiça das pessoas, solucionando conflitos nas próprias comunidades, o programa Justiça Comunitária é desenvolvido pelo Tribunal de Justiça acreano desde 2002. A partir de 2006, o programa passou a contar com parceria da Prefeitura de Rio Branco e desde então já realizou mais de 18 mil atendimentos nas regionais da capital.

O programa é desenvolvido nas dependências dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) localizados em vários bairros de Rio Branco, ou outros locais públicos, como Associações de Moradores e igrejas. Equipes compostas por psicólogos e agentes comunitários de justiça e cidadania mediam conflitos nas localidades, atuando na resolução de pequenos conflitos, de maneira rápida e amistosa, por meio da mediação e conciliação.

 

ASSESSORIA


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.