Municípios do Alto Acre ficam sem ambulância e feridos são resgatados por populares

As cidades de Brasiléia e Epitaciolândia, que somam aproximadamente 30 mil habitantes, isso sem a zona rural, está a mercê da sorte no tocante a quem possa precisar de uma ambulância, caso seja necessário um resgate e seja levado ao hospital.

Na noite desta sexta-feira, dia 6, uma mulher se envolveu em um acidente entre uma moto e um carro, já na BR 317, sentido Brasiléia/Assis Brasil. Para espanto das pessoas que assistiram o sinistro, souberam que teriam de agir por conta própria.

A mulher que agonizava de dor com suspeita de fratura em um dos tornozelos, ficou esperando que uma ambulância à socorresse, mas, ficou sabendo por populares que não havia uma ambulância do SAMU e nem a do Corpo de Bombeiros para lhe levasse ao hospital distante cerca de 400 metros do local.

Acadêmicos de medicina foram até o hospital para pedir ajuda, e souberam que sequer havia um colete cervical e uma prancha tinha para ajudar no resgate. Mesmo com a chegada de policiais militares, nada puderam fazer para ajudar, já que não possuíam um veículo adequado.

Somente com ajuda de populares, apareceu um colete cervical e a mulher foi resgatada para o hospital reclamando de dores pelo corpo.

Foi informado que as duas ambulâncias que dão apoio no hospital Wildy Viana, estariam em manutenção na Capital e não foi disponibilizado outro para suprir a falta. O mais grave talvez, seria a falta no 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros do Alto Acre, localizado em Epitaciolândia.

Foi informado que o SAMU retirou o único veículo disponível para a realização de resgate de urgência. Os socorristas dos Bombeiros são especializados para esse tipo de ocorrência e o veículo seria disponibilizado somente para o transporte de doentes.

Durante a semana, casos de acidentes foram registrados onde os socorristas dos Bombeiros levavam uma pessoa na carroceria de uma pick-up.

Caso seja verdade, o Governo do Acre poderá ser responsabilizado por não ter veículos e pessoas especializadas em resgates de alta complexidade.

A mulher foi levada para o hospital encima na carroceria de uma pick-up, onde recebeu atendimento médico e ficou em observação após passar por exames e cuidados.

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.