Governo participa de reunião sobre criação de zona de desenvolvimento entre Amazonas, Acre e Rondônia

Agência de Notícias

O projeto da Zona de Desenvolvimento Sustentável dos Estados do Amazonas, Acre e Rondônia (Amacro) foi apresentado aos governos e representantes dos três estados em videoconferência realizada na terça-feira, 2. A Amacro é planejada como um conjunto de ações para fomentar a sustentabilidade ambiental por meio do desenvolvimento socioeconômico às áreas a que se destina.

Participaram do encontro, representando o governador Gladson Cameli, os secretários de Estado do Acre de Fazenda, Rômulo Grandidier, de Estado de Produção e Agronegócio, Edivan Azevedo, e de Indústria, Ciência e Tecnologia Anderson Abreu.

O evento foi coordenado pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e o projeto foi apresentado pela Sudam. A Zona Amacro, que engloba 32 municípios localizados no sul do Amazonas, leste do Acre e noroeste de Rondônia, pretende estabelecer um cinturão de proteção da floresta e proporcionar desenvolvimento sustentável potencializando as vocações locais de bioeconomia e circuitos produtivos agrosustentáveis com ações multisetoriais.

No Acre, o objetivo é mostrar que o estado representa não apenas uma resposta quanto aos desafios socioambientais, mas também oportunidade de se colocar em evidência como modelo de ações economicamente viáveis e ambientalmente sustentáveis na Amazônia, trazendo benefícios à população acreana.

Com a Amacro, a expectativa é traçar um planejamento de ações a serem conduzidas pelos três estados com foco em dois grandes eixos: Desenvolvimento Produtivo (Agronegócio, Indústria, Bioeconomia, Turismo) e Infraestrutura Econômica e Urbana (Logística e Transporte, Energia, Telecomunicações).

Segundo o secretário de Produção e Agronegócio, a iniciativa trata-se de organizar os recursos públicos no sentido de propiciar investimentos produtivos que sejam intensivos em tecnologia e capital, fazendo com que se instaure uma perspectiva de desenvolvimento de forma real, abrangente e conectada com o mercado.

“Espera-se que esta iniciativa sinalize para uma mudança real de rumo da economia da região sem descuidar da sustentabilidade, ofereça oportunidades à intensificação do uso da terra, sendo ponto de partida para que a diversidade de produtos economicamente viáveis seja efetivamente explorada”, explicou Azevedo.

Durante a reunião, o secretário da Fazenda falou sobre a importância da Suframa ampliar o rol de atividades industriais a serem beneficiadas pelos incentivos fiscais. “Esta seria uma forma de incentivar o desenvolvimento do nosso estado”, pontou Rômulo Grandidier .

De acordo com o titular da Seict, o objetivo do encontro é construir meios que favoreçam o desenvolvimento do Acre. “Projetos dessa natureza alavancam cada vez mais nossa economia, gerando renda, emprego e voltando para a própria população, seja de forma direta, com a geração de empregos, ou indireta, por meio dos impostos”, afirmou Anderson Abreu.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.