Governo diz que vai retestar idosos do Lar Vicentinos com covid após vacina contra a doença

Por Marcelina Freire

Em coletiva à imprensa por meio de videoconferência na manhã desta terça-feira, 02, a Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre) disse que vai refazer os testes nos idosos do Lar Vicentinos que testaram positivo para covid-19, todos haviam sido vacinados contra a doença. A diretoria do Lar confirmou que 23 dos 54 moradores foram diagnosticados com a doença no final de semana.

“Uma coisa que eu posso garantir para vocês é que a vacina é de vírus inativado, ela não tem capacidade de causar a doença. Então nós avaliamos os casos notificados suspeitos como covid-19, e o que nós pudemos levantar de informação até o momento; primeiro é que existe a necessidade realizar um novo exame confirmatório com relação a positividade dos casos”, garantiu a coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) no Acre, Renata Quiles.

Ainda segundo a coordenadora, "o período que eles manifestaram (idosos) as suspeitas da doença foi muito pequeno após a vacinação. A gente entende que a vacina da covid em um organismo sadio ela leva em média 14 dias para fazer a soro conversão, para reagir, e o que nós observamos é que esse período foi de oito dias então não havia tempo da vacina fazer efeito, alcançar o potencial máximo de proteção”, explicou.

Paralelo à coletiva, o governo do Estado divulgou uma nota de esclarecimento sobre o assunto. O documento informou que no período de 11 a 26 de fevereiro ocorreram quatro óbitos de residentes dessa instituição. Após análise, o comitê descartou qualquer associação com a vacinação em dois dos casos e nos demais ainda segue o processo de investigação mais detalhada.

Ainda segundo o documento, “Um óbito ocorreu por Covid-19 no dia 26 de fevereiro, após internação de três dias no Huerb. Nesse caso, em consulta à literatura disponível sobre o tema, observa-se que na população idosa a resposta imune é mais lenta do que na população mais jovem (imunossenescência), retardando assim a proteção contra o vírus. Por isso, mesmo após a vacinação, há a necessidade de manutenção dos cuidados sanitários, como distanciamento social, uso de máscaras e higienização frequente das mãos”.

A nota destacou ainda que as vacinas disponibilizadas foram aprovadas pela Anvisa e por outros órgãos renomados no mundo, garantindo sua eficácia e segurança, sendo a única forma confiável e segura de proteção coletiva contra a Covid-19. “Por fim, este comitê condena com veemência a prática deliberada de divulgação de notícias falsas e “caça-cliques”, procedimentos que prestam desserviço à sociedade, causando desinformação, desconfiança e terror”, conclui a nota.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.