Flamengo do ataque temido e qualidade técnica faz jus à fama, mas precisa de equilíbrio

A qualidade técnica, o poder ofensivo e de reação mostrado na vitória de virada por 3 a 2 sobre o Vélez Sarsfield, terça, na Argentina, mostraram o motivo de o Flamengo ser considerado um dos favoritos ao título da Libertadores. Mas o time que conquistou respeito e admiração no continente - com méritos - ainda tem que olhar para si para corrigir algumas fragilidades.

A vitória maiúscula é um feito a ser comemorado e é natural que sobressaia ao que não deu certo. Ainda mais com o tempero de o último triunfo em território argentino ter pela Libertadores ter sido em 82, no 3 a 0 sobre o River Plate. Ponto para Ceni.

O Vélez mudou sua forma de jogar para tentar surpreender o Flamengo, que teve mais posse e controlou a partida na maior parte do tempo. O problema era sem a bola, quando o time tinha que preencher espaços e anular o jogo vertical dos argentinos.

No lance do primeiro gol, Diego e Gerson deram espaço, foram marcar o mesmo adversário, e Gustavo Henrique vacilou na tentativa de desarme. Opção de Ceni para substituir o suspenso Rodrigo Caio, o zagueiro não teve uma atuação segura. O time pela quarta vez seguida saiu atrás no placar.

O até então inofensivo Vélez foi letal, mas o Flamengo, o que vai bem com a bola no pé, reagiu. Diego e Gerson se recuperaram e fizeram um bom jogo. Foi o camisa 8, o da qualidade técnica, quem achou Arão sozinho para fazer o gol de empate.

Os argentinos voltaram a ficar na frente do placar em vacilo coletivo na bola parada. Foi quando Arrascaeta e Gabigol entraram de vez no jogo e resolveram, como de costume.

O camisa 9 já tinha sido servido pelo uruguaio em lance que o goleiro salvou. Mas Gabi sofreu um pênalti e converteu com categoria. E Arrasca, que já tinha feito golaço de fora da área no título da Supercopa, desta vez acertou o ângulo com o pé esquerdo.

O Flamengo da qualidade técnica e poder ofensivo venceu um dos adversários mais difíceis do grupo, é líder e ganhou moral para a sequência da Libertadores. Para confirmar a expectativa do continente, precisa do equilíbrio que ainda não encontrou mas terá a oportunidade de crescer durante a competição.

Globo.com


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.