Brasil tem menos público até que jogo da Série B e dá prejuízo de quase R$ 3 milhões

Se dentro de campo a seleção brasileira mostrou bom futebol e atropelou Honduras por 7 a 0, nas arquibancadas do Beira-Rio, o resultado foi desastroso. Apenas 16.521 compareceram ao último amistoso do time de Tite antes da Copa América, dando prejuízo à organização.

O baixo público gerou uma renda de R$ 1.202.890,00, valor insuficiente para garantir retorno à Pitch International, responsável pela organização e comercialização das partidas da seleção.

Por contrato, a empresa paga US$ 1,05 milhão (cerca de R$ 4 milhões na cotação atual) por jogo à CBF, garantindo lucro à entidade independente da bilheteria. A comercialização de ingressos, estacionamentos e camarotes, porém, não foi suficiente para cobrir o gasto.

O público foi tão baixo que ficou atrás até mesmo do registro de um dia antes na Série B do Brasileiro. No sábado, o Paraná venceu o Coritiba no Couto Pereira para 35.586 pessoas.

A seleção não sabia o que era jogar para público tão baixo no Brasil há quase 18 anos, desde agosto de 2001, quando enfrentou o Panamá na Arena da Baixada diante de 15.549 pessoas.

Sob o comando do técnico Tite, o pior registro havia acontecido em janeiro de 2017, em amistoso contra a Colômbia, no Engenhão, apenas com jogadores do futebol nacional: 18.695.

“A minha expectativa era mais, pensei que vinha mais gente. Também não sei dizer por quê. Se fosse jogo da Copa América, talvez, te traz apelo maior”, disse o treinador sobre o público.

No Beira-Rio, a seleção não teve sua principal estrela, Neymar, cortado depois de se lesionar contra o Catar, na quarta, quando o amistoso no Mané Garrincha registrou 34.204 torcedores e renda de R$ 3.880.825. Em Porto Alegre, os ingressos variaram de R$ 40 (meia) a R$ 450.

 

ESPN


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.