Governo estuda usar fundo para compensar alta de preços dos combustíveis

Correiobraziliense

Apesar de dizer que não vai interferir nos preços dos combustíveis, o governo de Jair Bolsonaro estuda uma forma de tentar amortecer os reajustes. Uma das alternativas é a criação de um fundo que possa ser usado para compensar variações muito acentuadas da cotação internacional do petróleo.

A ideia de criar um fundo soberano foi citada ontem pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo general Joaquim Silva e Luna, indicado para o comando da Petrobras pelo presidente Bolsonaro, ontem. O fundo poderia ser custeado pelos royalties do petróleo, que hoje são divididos pelo governo com os estados e municípios e também ajudam a bancar investimentos em saúde e educação.

“A solução para isso é se a gente conseguisse criar um fundo soberano com base nos royalties do petróleo, e esse recurso, quando houvesse essas flutuações, fosse utilizado para amortecer os aumentos. Não tem outra solução fora disso aí”, disse Mourão. “Seria alguma coisa como um fundo regulador”, reforçou Luna e Silva, que disse ter uma boa experiência nesse sentido com o “colchão regulador” de Itaipu, que garante a água necessária ao funcionamento da usina em momentos críticos de abastecimento. “A preocupação do presidente é legítima e está em dois aspectos: a previsibilidade dos preços e o preço do combustível propriamente dito”, defendeu o general, em entrevista à Rádio Bandeirantes, ontem.

A atual política de preços da Petrobras busca paridade com os preços internacionais de petróleo, por isso, é defendida pelo comando da estatal e pelo mercado financeiro. Porém, há tempos, incomoda o presidente Jair Bolsonaro e segmentos da população, como os caminhoneiros, já que implica em aumentos dos combustíveis quando as cotações internacionais de petróleo sobem. Só neste ano, por exemplo, o diesel subiu 27% e a gasolina, 34%, de acordo com a Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet). Afinal, o petróleo passa por um momento de valorização mundial. Além disso, a alta do dólar deixa a commodity ainda mais cara no Brasil, o que afeta os custos da Petrobras.

Por conta disso, essa política também foi alvo de estudos no governo de Michel Temer, após a greve dos caminhoneiros que ocorreu naquela época. O então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu a criação de um fundo que compensasse a oscilação dos combustíveis. A proposta, no entanto, não avançou, pois o governo optou por dar subsídios ao diesel. E, até hoje, a ideia divide analistas.

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.