Desemprego cai a 8,3% no trimestre encerrado em outubro, diz IBGE

taxa de desemprego no Brasil ficou caiu a 8,3% no trimestre encerrado em outubro, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (30). Trata-se da menor taxa para o período desde 2014.

O mercado esperava uma taxa de 8,5% no período, segundo pesquisa da Reuters.

A taxa representa uma queda de 0,8 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre anterior, de maio a julho. Na comparação com o mesmo trimestre de 2021, a queda foi de 3,8 p.p.

O contingente de pessoas ocupadas atingiu no período novo recorde da série histórica iniciada em 2012, com aumento de 1%, para 99,7 milhões.

“Este momento de crescimento de ocupação já vem em curso desde o segundo semestre de 2021. Com a aproximação dos últimos meses do ano, período em que historicamente há aumento de geração de emprego, a tendência se mantém”, diz Adriana Beringuy, coordenadora da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, em nota.

Já população desocupada foi de 9 milhões de pessoas, o que presenta um recuo de 8,7% em comparação com o tri encerrado no mês de julho, menos 860 mil pessoas. É o menor nível desde julho de 2015, diz o IBGE.

Grupo com carteira assinada e renda crescem

No trimestre encerrado em outubro, o número de empregados com carteira de trabalho assinada cresceu 2,3% (822 mil pessoas), chegando a 36,6 milhões.

“Esse índice segue em alta há mais de um ano, o que mostra não apenas que o mercado de trabalho está em expansão numérica de ocupados, mas também apresentando algum crescimento na formalização da população ocupada”, diz Beringuy.

O rendimento real habitual também cresceu, registrando alta de 2,9% em relação ao trimestre anterior, a R$ 2.754. A massa de rendimento real habitual atingiu recorde da série histórica, totalizando R$ 269,5 bilhões, um crescimento de 4% no trimestre e 11,5% na comparação anual.

O IBGE destaca entre as funções com maiores altas empregados no setor público (inclusive servidor estatutário e militar) (3,4%, ou mais R$ 137) e conta própria (3,3%, ou mais R$ 69), além do empregado com carteira de trabalho assinada (3,1%, ou mais R$ 79).

Já entre os grupamentos, os maiores aumentos foram em transporte, armazenagem e correio (6,5%, ou mais R$ 163), agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (5,7%, ou mais R$ 100) e Construção (5,5%, ou mais R$ 114).

Taxa de informalidade cai

O número de empregados sem carteira assinada no setor privado bateu o recorde da série, chegando 13,4 milhões de pessoas, um aumento de 2,3% (297 mil pessoas) contra o trimestre anterior e de 11,8% (1,4 milhão de pessoas) no ano, diz a pesquisa.

O número de empregados no setor público foi outro a bater o recorde da série histórica (12,3 milhões), com alta de 2,3% no trimestre. Já a taxa de informalidade foi 39,1% da população ocupada, menor que o trimestre anterior, quando foi de 39,4%, e no mesmo período do ano passado, quando atingiu 40,7%.

O número de trabalhadores informais chegou a 39 milhões.

 

[CNN]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.