Bolsonaro convoca reunião de emergência sobre crise na Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro fará uma reunião nesta terça-feira (30) para discutir a situação na Venezuela, após o líder da oposição, Juan Guaidó, declarar que obteve apoio de militares para depor o presidente Nicolás Maduro.

De acordo com o vice-presidente, Hamilton Mourão, participarão da conversa com Bolsonaro um representante do Gabinete de Segurança Institucional, o Ministério da Defesa, o Ministério das Relações Exteriores, além do próprio vice-presidente.

“Eu estou sabendo [sobre a crise na Venezuela] só o que foi divulgado hoje de manhã. O presidente vai fazer uma reunião às 12h30 sobre o assunto. Aqui na sala dele”, disse o vice-presidente na saída de seu gabinete.

Em entrevista coletiva nesta manhã, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil acompanha “minuto a minuto” o que acontece na Venezuela.

Segundo o chanceler, o governo considera positivo que exista um movimento de militares venezuelanos em apoio a Guaidó, mas ainda aguarda mais informações para saber como está a situação no país latino.

Durante sua fala, Araújo reforçou o apoio brasileiro para um processo de transição democrática na Venezuela e disse que espera a participação dos militares.

Em fevereiro, Guaidó se encontrou com autoridades brasileiras em uma visita ao Palácio do Planalto. 

Mais um capítulo

A crise na Venezuela ganhou um novo capítulo nesta manhã, quando Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional e autoprocalamado presidente interino da Venezuela, afirmou que um grupo de militares estaria ao seu lado, apoiando a deposição de Nicolás Maduro da presidência do país.

“Hoje, os soldados valentes, os patriotas, os valentes homens apegados à nossa constituição atenderam ao nosso chamado […] O primeiro de maio começa hoje. Hoje acaba a usurpação”, diz Guaidó em um vídeo gravado ao lado de militares venezuelanos.

 

Guaidó também convocou o povo para ir às ruas “recuperar a liberdade”. “Povo da Venezuela, começou o o início do fim da usurpação. Neste momento estou com as principais unidades militares das nossas Forças Armadas para dar início a fase final da Operação Liberdade”, disse em tuíte.

 

 

Exame.com

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.