Atos antidemocráticos: suspeito de quebrar relógio histórico é preso em MG

O funcionário de uma oficina de veículos em Catalão (GO), Antônio Cláudio Alves Ferreira, de 30 anos, foi preso nesta segunda-feira (23/1), em Uberlândia (MG). A informação foi confirmada ao Metrópoles pela Polícia Federal (PF). O mecânico é investigado sob suspeita de ter quebrado um relógio histórico no Palácio do Planalto nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro.

A prisão preventiva foi solicitada pela Polícia Federal e autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Operação Lesa Pátria. O preso será interrogado na delegacia de Polícia Federal do município mineiro e passará por audiência de custódia virtual. Depois, será encaminhado ao sistema prisional da cidade.

O homem foi visto pela última vez circulando pela cidade de Catalão, no sudoeste de Goiás, onde trabalhava. O vândalo chegou em Brasília na madrugada do dia 8 de janeiro e estacionou o veículo no Eixo Monumental. Ele deixou o local por volta das 20h do mesmo dia e chegou em Catalão na madrugada do dia 9/1.

Antecedentes

O suspeito foi autuado em flagrante no ano de 2014 por receptação, que é o ato de receber algo que seja produto do crime. Já em 2017, ele foi autuado em flagrante durante uma abordagem eventual, por estar portando uma pequena quantidade de maconha, segundo o delegado de Catalão, Jean Carlos Arruda. Os dois casos já foram arquivados pelo Tribunal de Justiça.

Relógio histórico

O relógio de pêndulo do século 17 foi um presente da Corte Francesa para dom João VI. Martinot era o relojoeiro de Luís XIV. Existem apenas dois relógios deste autor. O outro está exposto no Palácio de Versailles, mas possui a metade do tamanho da peça que foi completamente destruída pelos invasores do Planalto. O valor do item é considerado fora do padrão.

Imagens divulgadas pelo Fantástico no dia 15 de janeiro mostram o momento em que Cláudio destrói o relógio e em seguida tenta destruir uma câmera de monitoramento, dando golpes com um extintor de incêndio. Duas ligações anônimas para a polícia auxiliaram na identificação de Cláudio.

 

 

[Metrópoles]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.