Internação em UTI de pacientes covid cresce 18% após festas de final de ano, revelam dados da Anahp

Dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) apontam para o crescimento da taxa de internação em UTI Covid-19 nas instituições associadas. O índice, que estava em 40,84% entre os dias 25 e 31 de dezembro de 2021, passou para 58,75% entre 8 e 14 de janeiro de 2022, um aumento de 17,91 p.p na taxa de ocupação de leitos de UTI destinados a pacientes com Covid-19. No mesmo período, o percentual de ocupação de alas Covid também subiu de 47,31% para 77,07%, levando ao crescimento de 29,76 p.p. O principal fator que impulsionou esse crescimento foi o aumento de internações na região sudeste. Acompanhe a evolução nos gráficos abaixo:

Período: 25 e 31 de dezembro de 2021

AMOSTRA:47 respondentes (2.788 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados não críticos exclusivos para COVID-19 e 2.368 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados críticos (UTIs) exclusivos para COVID-19). Sendo: Norte e Centro-Oeste - 4 hospitais; Nordeste - 6 hospitais; Sudeste - 26 hospitais; Sul - 11AMOSTRA: 47 respondentes (3.459 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados não críticos exclusivos para COVID-19 e 2.366 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados críticos (UTIs) exclusivos para COVID-19) Sendo: Norte e Centro-Oeste - 4 hospitais Nordeste - 5 hospitais Sudeste - 25 hospitais Sul - 13 hospitais AMOSTRA: 46 respondentes (4.584 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados não críticos exclusivos para COVID-19 e 2.407 leitos operacionais-dia de unidades de internação de cuidados críticos (UTIs) exclusivos para COVID-19). Sendo: Norte e Centro-Oeste - 4 hospitais; Nordeste - 6 hospitais; Sudeste - 25 hospitais; Sul - 11 hospitais.

Para Antônio Britto, diretor-executivo da Anahp, apesar do crescimento, o número de internação é considerado baixo, uma vez que a proporção de leitos Covid em relação ao total de leitos ainda é pequena. “A cobertura vacinal da população está contribuindo muito para que os casos não sejam graves. O que notamos é um número grande pessoas contaminadas, mas que não se reflete na mesma proporção nas internações”. “No entanto, a associação reforça o estado de atenção e cautela para que os índices sigam controlados e que seja ponderada a necessidade de abertura de novos leitos”, disse Britto.

[Assessoria]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.