Campanha de vacinação contra a poliomielite começa nesta segunda-feira (8)

A campanha nacional de vacinação contra a poliomielite começa nesta segunda-feira (8) e vai até o dia 9 de setembro. Cerca de 40 mil postos de vacinação estarão abertos para a aplicação da vacina contra a doença que pode causar paralisia infantil.

O público-alvo são as crianças menores de cinco anos de idade, totalizando mais de 14,3 milhões de pessoas. A meta do Ministério da Saúde é de atingir pelo menos 90% de cobertura vacinal.

De acordo com o ministério, crianças menores de um ano deverão ser imunizadas conforme a situação vacinal encontrada para esquema primário. As crianças de um a quatro anos deverão ser vacinadas indiscriminadamente com a Vacina Oral Poliomielite (VOP), desde que já tenham recebido as três doses de Vacina Inativada Poliomielite (VIP) do esquema básico.

No lançamento da campanha, realizado em São Paulo no domingo (7), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, alertou para a possibilidade de emergência da poliomielite no Brasil. O último caso da doença no país foi registrado em 1989, no estado da Paraíba.

“Tivemos recentemente um caso de poliomielite em Nova York, nos Estados Unidos, o país mais desenvolvido do mundo. Também tivemos casos de poliomielite em Israel. Portanto, pode acontecer a poliomielite no Brasil. Embora não tenhamos uma urgência em função de casos, é urgente que consigamos recobrar as nossas coberturas vacinais”, alertou Queiroga.

Como as campanhas de vacinação vão coincidir com a imunização contra a Covid-19 em andamento, o ministério orienta que as vacinas contra o coronavírus poderão ser administradas de maneira simultânea ou com qualquer intervalo com os demais imunizantes na população a partir de três anos de idade.

“Temos que imunizar contra a poliomielite 15 milhões de crianças. Não é uma atribuição exclusiva do Ministério da Saúde fazer esse tipo de ação. Nós temos os programas de imunização dos estados e dos municípios que são fundamentais e imprescindíveis para que a vacina, que é um dever do estado, mas acima de tudo um direito de cada brasileiro, possa chegar a cada uma das nossas 15 milhões de crianças”, disse Queiroga.

Cobertura vacinal

A ampliação da cobertura vacinal tem como objetivo reforçar a proteção contra a poliomielite e outras doenças que podem ser evitadas por vacinas. A medida reduz a ocorrência de surtos e hospitalizações, sequelas, tratamentos de reabilitação e de óbitos.

Em paralelo à vacinação contra a pólio, a campanha multivacinação acontece com a aplicação de 18 imunizantes para crianças e adolescentes.

As vacinas disponíveis são: hepatites A e B, Penta (DTP/Hib/Hep B), Pneumocócica 10 valente, VIP (Vacina Inativada Poliomielite), VRH (Vacina Rotavírus Humano), Meningocócica C (conjugada), VOP (Vacina Oral Poliomielite), febre amarela, tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola, varicela), DTP (tríplice bacteriana), Varicela e HPV quadrivalente (papilomavírus humano).

Os adolescentes poderão receber as vacinas HPV, dT (dupla adulto), febre amarela, tríplice viral, hepatite B, dTpa e Meningocócica ACWY (conjugada).

 

[CNN]

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.