Câmara Criminal mantém prisão preventiva de acusado de matar esposa

 

 

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça decidiu pela manutenção da prisão preventiva de Giane Justo de Freitas – acusado de matar a própria esposa. A engenheira civil Silvia Raquel Mota de Freitas, de 39 anos, foi encontrada morta dentro da caixa d'água – localizada na parte inferior de sua casa -, no bairro Wanderley Dantas, em Rio Branco.


O crime aconteceu em agosto deste ano, sendo que dias depois do fato ele foi preso – tendo sido apontado como o possível autor do crime. Representado por seus advogados, Giane de Freitas impetrou um habeas corpus, por meio do qual requereu a liberdade. 

O acusado justificou a ausência de elementos que sustentem o decreto da prisão e que o seu envolvimento com o crime “é mera conjectura”. O pedido, no entanto, foi negado por unanimidade pelos membros do Órgão Julgado. Relatora do processo, a desembargadora Denise Bonfim considerou que “há severos indícios de autoria delitiva do homicídio”.

Ela também salientou a razão pela qual é preciso manter a prisão preventiva. “A segregação cautelar do representado justifica-se para a garantia da ordem pública”, explicou. A magistrada também ponderou que o crime imputado é grave e afetou consideravelmente a comunidade local, já que a vítima foi encontrada sem vida pelo representado (Giane), dentro de uma caixa d’água em sua residência. 

Além disso, Denise Bonfim sustenta que a prisão do acusado se faz necessária para assegurar a aplicação da lei penal. Um detalhe que chama a atenção para o caso é que no mesmo dia em que o corpo da vítima fora encontrado, Giane de Freitas esteve pela manhã no sindicato dos moto-taxistas, com o objetivo de ceder a sua permissão. “Essa atitude deixa antever uma possibilidade de ausentar o distrito de culpa”, diz o voto.

A engenheira civil Silvia Raquel era servidora pública do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) e professora da Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO). A Sessão da Câmara Criminal foi composta pela desembargadora Denise Bonfim (presidente), desembargadores Samoel Evangelista e Francisco Djalma (membros) e o procurador de Justiça Álvaro Pereira, membro do Ministério Público Estadual.

 

[Ascom/TJ]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.