Acrelândia passa por situação delicada e a gestão municipal é questionada pela comunidade

 George Naylor

Acrelândia,  município localizado a 117 Km da capital acreana, Rio Branco, já foi referência no  Estado em diversos  setores da agricultura, tendo como destaque principalmente, dentro da sua produção rural, a bacia leiteira, que já chegou a produzir mais 28 mil litros por dia, mas, hoje a realidade desta pequena cidade, que possui uma estrutura planejada, porém deteriorada pela falta de manutenção, é completamente diferente. 

Ex-políticos, comerciantes, professores e autônomos afirmam que esse pode ser um dos piores períodos enfrentados pelo pequeno município, que vem sofrendo drasticamente por conta da carência e precariedade em vários setores como a educação, infraestrutura dos ramais e ruas, coleta de lixo, falta de incentivo para a produção rural, saúde pública entre outros. 

O cartão de visita na entrada da cidade, que possui pouco mais de 12mil habitantes, é um grande buraco. No centro urbano, a precariedade da infraestrutura não é diferente, o que comprova a veracidade das denúncias e questionamentos feitos pela população, que está cansada com todo o abandono  e principalmente com o descaso da prefeitura. 

A falta de coleta periódica do lixo é outro ponto delicado. Os moradores alegam que só é realizada a coleta na principal rua do município, em quanto às demais estão tomadas por sacolas plásticas e entulhos. 

Os estudantes da escola Maria de Jesus, uma das principais do município, precisam vencer uma guerra diária contra a lama e os buracos, que tomam conta do portão principal da instituição de ensino, para conseguir chegar a tempo e principalmente limpos na sala de aula.

“A educação está sendo prejudicada diretamente pela falta de investimentos destinados à área e também pelas questões de infra-esturtura tanto na instituição de ensino como nas suas ruas de acesso. As crianças precisam amarrar sacolas plásticas aos pés para conseguir chegar até a sala de aula com seus calçados limpos, por conta do grande acúmulo de lama na entrada da escola”, relatou uma educadora da rede pública, que não quis se identificar.

 A professora acrescentou que, com o passar do tempo, os problemas estão se agravando, principalmente pela falta de organização administrativa da gestão municipal. “Nosso município é o primeiro do Acre a ser planejado e deveria servir de exemplo, como já foi em outras épocas. Estamos vivenciando um dos piores momentos em diversos setores de Acrelândia. A situação da infra-estrutura das ruas, e principalmente dos ramais e a falta de coleta de lixo, também contribui com o sentimento de abandono atual da cidade”, detalhou.

Falta de organização municipal?

A falta de diálogo, incentivos financeiros para os produtores rurais e a centralização de poderes, por parte da gestão municipal do prefeito Jonas Dales, também foram relatadas pelos entrevistados.

O ex-vereador de Acrelândia Raimundo Nonato, conhecido popularmente no município como ‘Casimiro’, detalhou os principais problemas administrativos. “Administrativamente Acrelândia está precária e a falta de gestão municipal vem acarretando vários prejuízos e influenciando principalmente na captação de recursos destinados às melhorias da nossa cidade. O que ainda sobrou é herança da gestão anterior. A produção rural, que em anos atrás era uma referência, não mais existe, e os poucos fazendeiros estão indo embora à procura de melhorias  ”, pontuou. 

Raimundo Nonato afirmou ainda que a falta de gestão influencia diretamente na precariedade atual do município, na baixa produção rural e principalmente na rotatividade financeira da cidade. “A única coisa que ainda é produzida no nosso município é banana. Nossa economia está completamente abalada e a falta de incentivos voltados para a produção rural e industrial tem uma grande parcela de culpa. Acrelândia ultimamente é um município morto. Em anos atrás a cidade possuía mais de 10 serrarias, uma vasta produção de leite e grãos e atualmente a nossa realidade é completamente diferente”, desabafou.

O comerciante José Maria, que mora há mais 40 anos no município, também relatou as dificuldades encontradas em diversos setores da pacata cidade. “Estamos passando por um momento muito difícil e isso não é nenhum segredo. Tenho uma grande amizade e respeito pelo nosso prefeito, mas preciso admitir que existe falta de comprometimento administrativo por parte da sua gestão. A educação, a infraestrutura das ruas e principalmente a economia estão em crise”, relatou o comerciante.

O comerciante acrescentou ainda que o município precise de uma atenção maior por parte do poder público. “Nosso desejo principal é viver dias melhores e conseguir uma boa educação para as nossas crianças, um asfalto de qualidade nas nossas ruas e incentivo significativo para os nossos produtores. Precisamos de maior atenção por parte do poder público e das autoridades constituídas em prol da nossa comunidade”, finalizou. 

Perfil do município

A primeira cidade planejada do Acre foi elevada a categoria de município através da lei N°1025/92 de 28 de abril de 1992, criado a partir do desmembramento de partes dos municípios de  Plácido de Castro e Senador Guiomard. Sua população é de 12. 518 habitantes e sua área é de 1.575 km² (7,3 hab./km²).

Limita ao norte com o Amazonas e Rondônia, ao sul e a sudoeste com o município de Plácido de Castro; a leste com a Bolívia e a oeste com o município de Senador Guiomard.

 

Fotos: Francisco Chagas

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.