Comissão da câmara federal aprova doação de terras da União para o Acre

O governo do Acre alcançou mais uma vitória visando conseguir que a União doe, para o Estado, 155 mil hectares de terras remanescentes da Gleba Seringal Afluente, entre Feijó e Tarauacá, para implantar uma unidade de conservação sustentável na região. Um projeto de decreto legislativo com esse objetivo foi aprovado pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados, na última quarta-feira, 23.

O projeto, de nº 335/21 e que já foi aprovado no Senado, é de autoria da senadora e vice-governadora eleita Mailza Assis da Silva e atende pedido do governo do Acre. “A doação dessas terras para o Estado já tem posição favorável do Ministério da Economia e do Conselho de Defesa Nacional, mas também precisa da aprovação da Câmara, além do Senado, porque abrange área de fronteira”, explicou o representante do governo em Brasília, Ricardo França, que trata do assunto na capital federal.

A implantação da unidade de conservação integra ações da segunda fase do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre, o PDSA II, desenvolvido em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Conforme Ricardo França, além de contribuir com os objetivos do programa, a implantação da unidade de conservação é compromisso assumido pelo Estado em contrato de empréstimo feito em 2013 junto ao BID, no valor de US$ 120 milhões, sendo US$ 72 milhões financiados pelo banco e US$ 48 milhões de contrapartida do governo.

O problema, explicou o representante, é que as terras indicadas pelos gestores daquela época para implantar a unidade de conservação pertencem à União, o que inviabiliza a ação. “O governo vem buscando a doação dessas terras para regularizar a situação e poder implantar a unidade, avançando, cada vez mais, no desenvolvimento sustentável do Acre, além de cumprir com o compromisso com o Banco Mundial e evitar que o Estado fique inadimplente”, explica.

Articulações

Foi com esse objetivo que o governo solicitou a apresentação do projeto de decreto legislativo pela senadora Mailza Assis da Silva. “À exemplo da parceria e apoio costumeiro ao governo em favor do Estado, a senadora atendeu o pedido e se empenhou pela aprovação da medida no Senado”, afirmou Ricardo França.

A necessidade foi relatada por França para o relator do projeto na Comissão de Agricultura da Câmara, deputado Pedro Lupion, pedindo a urgência e aprovação da proposta, conforme ocorreu na quarta-feira. O projeto ainda será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, seguindo depois para análise pelo plenário.

[Agência de Notícias do Acre]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.