Médicos de Feijó denunciam a falta de profissionais para o fechamento da escala

ASSESSORIA

O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) encaminhará ao Ministério Público Estadual (MPE) uma denúncia pela falta de condições de trabalho no Hospital Geral de Feijó. O motivo é a falta de profissionais para o fechamento das escalas de plantão, chegando a ter a disponibilidade de apenas um médico para atender a maternidade e ao pronto-socorro, ao mesmo tempo.

Segundo o presidente do Sindmed-AC, Murilo Batista, um novo documento também será encaminhado à Secretaria de Estado de Saúde voltando a cobrar melhorias para a unidade de saúde do interior. No local, quando há médico convocado para atuar, no modo sobreaviso, o plantonista também precisa auxiliar o trabalho do colega durante uma cirurgia, não podendo realizar outros atendimentos até o final do procedimento.

“Quando há a convocação do colega de sobreaviso, o plantonista precisa entrar na sala de cirurgia para auxiliar, com isso os outros atendimentos são paralisados e, caso exista dois atendimentos urgentes, um ficará aguardando até o final da cirurgia, com isso o outro paciente corre risco de morte”, protestou o presidente do Sindicato.

O Sindmed-AC também cobra o envio para o município de ginecologista/obstetra e outros especialistas para atender a população com maior efetividade, evitando o gasto com o Tratamento Fora do Domicílio (TFD).

A denúncia aponta ainda que o Serviço Móvel de Urgência (Samu) não possui médico responsável para os deslocamentos, assim, em caso de urgência, o único médico do hospital terá que sair do plantão para levar paciente até Cruzeiro do Sul, deixando a unidade sem plantonista.

Com as dificuldades impostas, os médicos estão impedidos de gozar de direitos trabalhistas mais elementares e necessários para a saúde, como férias.
“Já tratamos das mesmas reivindicações com os gestores e, mais uma vez, levaremos o caso para o governo do Estado para cobrar uma resposta”, finalizou o Sindicalista.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.