Governo promove seminário sobre cadeia produtiva do bambu com produtores do Bujari

Identificar as potencialidades do bambu e popularizar a utilização das espécies em abundância no Acre tem sido o objetivo do governo do Estado, que recentemente implantou em Rio Branco o Centro Vocacional Tecnológico, o CVT Bambu, de onde saem as principais ações com esses fins. A exemplo disso foi realizado nesta terça-feira, 28, um seminário sobre a cadeia produtiva da fibra, que reuniu diversos pesquisadores, produtores rurais e estudantes no Centro Cultural, no Bujari.

De acordo com a secretária de Ciência e Tecnologia (Sect), Renata Silva, capacitar e qualificar são premissas essenciais dos projetos do CVT. "Precisamos mostrar às pessoas o valor econômico de se trabalhar com o bambu, porque muitos não têm a noção do quanto essa cadeia produtiva pode ser lucrativa. Então, a intenção é conscientizar a plantação para que, posteriormente, se tenha sustentabilidade para fomentar o mercado que venha a surgir em torno disso, movimentando a economia do estado", informou.

Com foco no viés do desenvolvimento sustentável, o seminário abordou todo o processo desde a plantação de mudas ao manejo de espécies e avanços de pesquisas tecnológicas que direcionam os diversos segmentos para os quais o bambu pode ser utilizado. Na oportunidade, o diretor-presidente da Funtac,Maurilho Silva, enfatizou: "O que está sendo feito aqui é uma plantação de sementes. Querendo despertar o interesse por uma matéria-prima abundante no Acre, identificando a viabilidade econômica para que se tenha mais embasamento de uma alternativa de economia sustentável".

A ação é resultado da execução do cronograma previsto por convênio do CVT Bambu, mediante integração da Sect, Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Acre (Fapac), com o apoio de parceiros como o Instituto Federal do Acre (Ifac), Embrapa, Associação Brasileira dos Produtores de Bambu (Aprobambu Norte) e Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar no Acre (Seaprof).

 

ASSESSORIA

 


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.