Projeto prevê construção de aeroporto compartilhado entre Feijó e Tarauacá

Por Wanglézio Braga

A falta de acesso pavimentado ao aeródromo de Feijó e os problemas de invasão da pista de pouso de Tarauacá podem acabar graças a um projeto idealizado pelo Governo do Estado em parceria com as prefeituras. Em entrevista ao Portal O Rio Branco, o diretor presidente do Departamento de Estradas e Rodagens do Acre (DERACRE), Ítalo César, informou que existe um projeto, ainda embrionário, que tem o objetivo de criar um aeroporto compartilhado entre as duas cidades.

Segundo Ítalo César, o projeto está na fase de identificação da área que possa ser construído o novo aeródromo. Ele comentou ainda que já foi feita uma consulta entre os prefeitos de Feijó e Tarauacá, Kiefer Cavalcante e Marilete Vitorino, respectivamente e que deram aval positivo para a construção do espaço e que inclusive já existe fonte de recursos para a efetivação do projeto.

“Isso diminuiria os problemas da região, desses municípios. Tiraria o aeroporto de Tarauacá que se encontra dentro da cidade, onde as pessoas usam para caminhar na pista, onde os animais invadem o local colocando em risco a vida da tripulação e da própria população de Tarauacá sem contar a torre de comunicação que pode prejudicar a aviação. Esse projeto resolveria de vez a falta de acesso ao aeroporto de Feijó que hoje temos encontrado dificuldade de pavimentação”, disse.

O gestor do DERACRE enfatizou que recentemente a autarquia realizou um paliativo na pista de Feijó e que por falta de insumos, a restauração conclusiva não pode ser realizada. César comentou ainda da burocracia para a aquisição de insumos para a produção de asfalto na região do Envira.

“O acesso a esse lugar ainda é uma reclamação presente. A prefeitura também fez um paliativo mais pode ficar difícil com a chegada do inverno. Nós estamos tentando a manutenção da usina de asfalto que produzirá massa asfáltica, porém, a situação é falta de empresas que estejam dispostas, por meio de licitação, ofertar os produtos para a massa”, comentou César informando que duas licitações já foram realizadas e que ninguém manifestou interesse de contrato.

Por fim, Ítalo ressaltou ainda que a situação só não piorou, com a falta de insumos, por conta de uma carona licitatória com o 7º Batalhão de Engenharia e Construção (BEC) que possibilita paliativos naquela região.


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.