Frota de ônibus em Rio Branco continua reduzida em 30% após bloqueios ilegais que causaram escassez de combustível no Acre

A frota de ônibus em Rio Branco continua reduzida nesta quarta-feira (23). Desde segunda-feira (21), a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTrans) informou que reduziria a frota de 101 para 71 carros circulando na capital acreana devido aos bloqueios ilegais que estavam ocorrendo na BR-364 no lado rondoniense e estavam prejudicando o abastecimento no Acre.

No final da tarde dessa terça, a PRF informou que havia desbloqueado todos os pontos em Rondônia e que as cargas paradas na estrada começaram a ser enviadas ao Acre. A redução de 30% da frota é por tempo indeterminado, segundo o superintendente da RBTrans, Francisco José Benício Dias. Os passageiros chegaram a ficar quase duas horas na espera por ônibus.

Os bloqueios ilegais em quatro pontos de Rondônia afetaram o abastecimento em diversos setores no Acre, já que, com as interdições, as cargas não conseguiam passar. . Alguns itens, como gasolina, cimento, alimentos perecíveis e cerveja chegaram a ficar escassos na capital.

"Vamos ter uma reunião para decidir como fica a frota, mas por enquanto, seguimos com os 71 carros nas ruas", disse o superintendente da RBTrans. Ao g1, a Ricco, a única empresa que opera no transporte público em Rio Branco disse que ainda não foi normalizado o abastecimento.

"Apesar da estrada liberada, a base da Petrobras em Rio Branco ainda não tem o produto eles devem liberar só amanhã [quinta-feira,24]", informou a empresa.

Normalizando

Nesta quarta-feira (23), mesmo com a liberação da rodovia, muitas carretas chegaram ao Acre com combustíveis e outros materiais, mas ainda não é suficiente para normalizar a situação.

Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Acre (Sindepac), vários caminhões conseguiram chegar em Rio Branco e outros em Porto Velho (RO), no entanto, ainda falta combustível em muitos postos da capital. A previsão é que, se não houver novos bloqueios nos próximos dias, até sexta-feira (25), todos os postos devem estar abastecidos e a situação normalizada.

A Associação de Bares, Restaurantes, Conveniências, Distribuidoras e Eventos do Acre (Abrace), informou que desde o desbloqueio da rodovia, nessa terça, chegaram duas carretas de bebidas no estado, mas que ainda é "limitado" o estoque de cerveja. Segundo o presidente da associação, Leôncio Castro, para normalizar precisa em torno de uma semana.

"Para normalizar, precisa chegar no mínimo 30 carretas, sendo que são cerca de 3 dias para ir e 3 para voltar. Então, a previsão é que normalize só mês que vem, se realmente não acontecer mais nenhum tipo de imprevisto", afirmou Castro.

O g1 tentou contato com a Associação Comercial do Acre (Acisa) e com a Federação das Indústrias do Acre (Fieac) para saber se os setores de comércio e indústria já sentem alguma mudança desde a liberação da estrada nessa terça, mas ainda aguarda resposta.

Força Nacional e gabinete de crise

O governo do Acre montou um gabinete de crise para discutir e tomar as devidas medidas com relação aos prejuízos causados pelos bloqueios ilegais na BR-364, em Rondônia, que dá acesso ao estado acreano. O decreto com a criação do grupo foi publicado na edição desta quarta-feira (23) do Diário Oficial do Estado (DOE) e tem validade de 15 dias.

O governador do Acre, Gladson Cameli pediu, nessa terça-feira (22), reforço da Força Nacional para evitar bloqueios ilegais que ocorrem na BR-364 no lado rondoniense e que tem prejudicado o abastecimento no estado. Até essa terça-feira (22), a Polícia Rodoviária Federal confirmava vários pontos de bloqueio feitos por bolsonaristas na BR-364, em Rondônia. Alguns itens, como gasolina, cimento, alimentos perecíveis e cerveja chegaram a ficar escassos na capital.

 

[G1]


Lavar as mãos
A lavagem deve ser feita frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização.


Não tocar o rosto
Evite encostar as mãos não lavadas na boca, nos olhos e nariz. Essas são as principais portas de entradas do coronavírus no organismo.


Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar
O ideal é usar cotovelo ou lenço. Se utilizar papel, jogue fora imediatamente.


Usar álcool em gel
Se não houver água e sabonete para lavar a mão, use o álcool gel 70%, que é eficiente para matar o vírus e outras possíves bactérias.


Evitar contato se estiver doente
Quem está com sintomas de doença respiratória deve evitar apertar as mãos, abraçar, beijar ou compartilhar objeto. Se puder, fique em casa.

Usar máscara se apresentar sintomas
Quem está com sintomas como tosse e espirro deve usar máscara mesmo sem o diagnóstico confirmado de covid-19.